A Time Out na sua caixa de entrada

Fábrica de Santo António, Bolachas, Biscoitos, Ilha da Madeira
©Gonçalo F. SantosFábrica de Santo António

Dez lembranças para trazer da ilha da Madeira

Para eternizar a viagem no regresso a casa ou fazer um amigo feliz, eis as lembranças que vale a pena trazer da ilha da Madeira.

Escrito por
Inês Garcia
Publicidade

As boas viagens não se esquecem facilmente, mas trazer uma lembrança do sítio onde se foi feliz é meio caminho andado para se voltar ao lugar – e há quem não se contente com um simples íman na hora de trazer um souvenir para casa. Nesta lista damos-lhe dez boas ideias de lembranças para trazer da ilha da Madeira (ímanes incluídos, claro está). Alguns com sentido prático para além do decorativo, como o “caralhinho” para pôr mãos à obra e reproduzir aquela poncha que bebeu às 10.00 da manhã na ilha ou umas garrafinhas de rum ou vinho Madeira em tamanho de viagem.

Recomendado: Sete razões para visitar a Madeira

“Caralhinho”
©DR

1. “Caralhinho”

Pau da poncha, mexelote ou caralhinho. É o instrumento imprescindível para fazer poncha, a bebida típica da Madeira que sabe a suminho, mas é bem perigosa. Não vai ser fácil arranjá-lo, uma vez que não está à venda em qualquer loja de souvenirs, mas com algum esforço e empenho vai acabar por encontrar. É verdade que pode comprar antes uma básica garrafa de poncha já feita, mas isso não é a mesma coisa. No Mercado dos Lavradores arranja um e no aeroporto tem em versão original ou em mais pequena (a original é melhor, para mexer e misturar com vigor a bebida).

Íman
©DR

2. Íman

Inevitável. Se é dos que tem o frigorífico já cheio com os marcos por onde foi passando em viagens, acrescente um da ilha da Madeira. O que não falta é variedade, da cara de Cristiano Ronaldo, a estrelícias, paisagens ou em formato carapuça típica. Em qualquer loja de souvenirs (nas promenades, junto ao mar, há várias).

Publicidade
Rum 970
©Gonçalo F. Santos

3. Rum 970

O Rum Agrícola da Madeira 970 é uma referência na ilha desde a década em que começou a ser produzido, a de 1970. Tem um tom âmbar escuro e um grau alcoólico que digere rapidamente qualquer refeição farta, 40%. Pode comprar na destilaria Engenho do Norte, onde é produzido, ou no aeroporto naquelas versões mini to go.

Rebuçados de funcho
©DR

4. Rebuçados de funcho

São vendidos em saquinhos transparentes, pouco gourmet, com um aspecto tosco e artesanal. Estes rebuçados de cor alaranjada são típicos da Madeira e têm a planta do funcho na base da sua receita – há plantações de funcho em grande abundância nas encostas da baía do Funchal, zona que deve o seu nome a este factor. Estes rebuçados são bons também para mergulhar no chá e o adoçar ou para misturar na aguardente de cana. Devido às propriedades do funcho, podem ser utilizados também como calmante para a tosse. Bom presente para miúdos e adultos, portanto.

Publicidade
Bolo de mel
©DR

5. Bolo de mel

O bolo de mel é presença obrigatória nas mesas de Natal dos madeirenses, mas está à venda durante todo o ano para quem quiser levar um bocadinho da doçaria da ilha para casa. É feito com mel de cana-de-açúcar e conserva-se durante um ano inteiro sem ganhar bolor ou alterar a textura. Para além do mel, farinha e fermento, leva vinho da Madeira, erva-doce, canela, cravinho, nozes, amêndoas, laranja e limão, entre outros ingredientes. Deve ser partido à mão. No centro do Funchal tem a Fábrica Santo António (Travessa do Forno, 27), com bonitas caixinhas em cartão para levar para casa. Também encontra facilmente versões grandes e pequenas no aeroporto.

Vinho Madeira
©DR

6. Vinho Madeira

É um vinho fortificado, intenso, doce e fresco, produzido na Madeira e reconhecido em todo o mundo. Há quatro tipos principais de vinho da Madeira, designados pelo nome das suas variedades: Malvasia, Boal, Verdelho e Sercial. Dependendo do ano e tipo, os preços vão variando e vai encontrá-lo em formato grande (na adega da Blandy’s pode comprar e pedir para levantar no aeroporto que tratam de tudo por si).

Publicidade
Chocolates
©Gonçalo F. Santos

7. Chocolates

Chocolates é sempre uma boa solução para levar no regresso a casa, seja para comer no avião enquanto lamenta o fim das férias ou para presentear algum ente querido que não foi consigo. A Uau Cacau, chocolataria de produção artesanal e local da Madeira, tem chocolates recheados ora com poncha, ora com rum e vinho Madeira. Isto sem falar das outras opções com fruta da ilha, todos bonitinhos e delicados, a parecer jóias na vitrine da loja no centro do Funchal ou no Mercado dos Lavradores. Leve uma caixa com uma selecção.

Chapéus
©DR

8. Chapéus

Chapéus há muitos, mas na Madeira há dois muito típicos: o dos Carreiros do Monte, um chapéu de palha simples, com uma faixa preta a dizer “MADEIRA”; e a carapuça do traje típico, um barrete colorido de forma cónica usado na ilha nos séculos XVIII e XIX, influenciado pelo gorro medieval e carapuços portugueses. Este último é usado hoje apenas pelos grupos folclóricos ou em representações da ilha, e vendido em lojas de souvenirs em vários tamanhos.

Fun fact: dizem os locais que se a ponta do barrete estiver esticada, é porque estamos perante homem solteiro, se estiver torcida, é comprometido.

Publicidade
Bordado
©Gonçalo F. Santos

9. Bordado

Se não tiver plafond para fazer o enxoval completo ou trazer uma toalha de mesa toda bordada à mão, há opções mais acessíveis e igualmente bonitas e honestas, como as bases para copos que não ultrapassam os 2€. Tudo original e à venda na loja da Bordal (Rua Dr Fernão Ornelas, 77), onde pode subir ao piso de cima para ver as bordadeiras in loco.

T-shirt
©DR

10. T-shirt

O GONNA Creative Studio dedicou-se, em 2013, ao projecto Madeirense Puro, que resultou numa loja própria (Rua D. Carlos I, 39) onde encontra vários produtos com palavras e expressões da ilha, com muito humor à mistura. Junte ao seu guarda-roupa mais uma t-shirt de viagem, mas peça ajuda ao “amigue madeirense” para decifrar o que significa “ir pá casa d’amleinha” ou “deixa-te de cramar”. Há outras expressões estampadas, como “goste mais de ti do que de milhe frite”, qual dedicatória de amor, “vamilhá”, em jeito de vamos lá, ou “o teu cão investe?”, perfeito para os amigos com cães, já que a pergunta é “o teu cão morde?”. Há também bodies para os rebentos, canecas, almofadas, peluches ou autocolantes. Se já foi à ilha e não encontrou esta loja, pode mandar vir do site.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade