Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Paragens obrigatórias entre Vila Real e Viseu

Paragens obrigatórias entre Vila Real e Viseu

De todas as etapas da EN2, esta é a mais valiosa – porque é aquela que tem mais Douro. O percurso de Vila Real a Peso da Régua é um dos mais bonitos do país. Mas há outras preciosidades por esta estrada fora

Casal de Loivos
© DR Uma vista sobre o rio e muito para explorar
Publicidade

Eis-nos chegados à capital de Trás-os-Montes e Alto Douro, cidade que o nosso GPS insiste em confundir com Vila Real de Santo António, uns quilometrozinhos mais a Sul. Foi deste sítio à beira do rio Corgo que saiu Diogo Cão, o navegador pioneiro a estabelecer relações com o reino do Congo, em mais um momento enternecedor de geografia. A Casa Diogo Cão (Rua Irmã Virtudes, 4) fica no centro de Vila Real. É uma casa típica da segunda metade do século XV que foi resistindo à passagem do tempo, dando-nos, hoje, uma oportunidade rara para perceber como eram as casas típicas daquele tempo. E não, não há nenhum veterinário em Vila Real com o mesmo nome. Diogo Cão pode ter descoberto a foz do rio Zaire, sim senhor, não está mau, mas não descobriu o que acontece ao juntar amêndoas, ovos e açúcar numa massa em forma de crista de galo como fez a Casa Lapão (Rua da Misericórdia, 64). Esta pastelaria especializada em doçaria conventual arranjou a sua própria maneira de dar novos mundos ao mundo – criando ou divulgando especialidades únicas como as já citadas cristas de galo, os toucinhos do céu, os pitos de Sta. Luzia (é massa quebrada com abóbora e canela, não sejam porcos) e os antoninhos (uns pastéis de doces de ovos e gila). É um lugar essencial para todas aquelas pessoas que querem ver o sangue nas suas veias cristalizar. Se comprou umas calças muito largas e não quer gastar dinheiro num cinto, também pode passar aqui uma tarde a provar estas especialidades. Mas o ex-líbris de Vila Real é a Casa de Mateus. Pausa para reflectir: o que é um líbris? E porque é que ser o “ex” dele é tão bom? Adiante. A Casa de Mateus parece ter sido feita para o instagram, numa altura em que não se sonhava sequer com instagram – se calhar, quando foi inaugurada, alguém comentou “ah, este palácio parece ter sido feito de propósito para umas pinturas a óleo ou umas gravuras a água-forte”. O autor do icónico edifício é Nicolau Nasoni, arquitecto italiano cujo trabalho mais conhecido talvez seja a Torre dos Clérigos, no Porto. A Casa de Mateus (Rua da Misericórdia, 64, das 09.00 às 19.30, visitas a partir de 8,50€) é hoje um importante centro cultural cujos jardins, edifício principal, capela e adega (atenção enoturistas!) podem ser visitados por marcação.

Paragens obrigatórias entre Vila Real e Viseu

 Cais da Villa
© Lino Silva
Restaurantes

Onde comer: Cais da Villa

Restaurante e wine bar especializado em tapas e bifes situado num antigo armazém ferroviário. Vai da cozinha mais requintada aos pratos tradicionais da região.

Publicidade
Colo do Pito
DR

Pela estrada fora

Depois do Peso da Régua, a Estrada Nacional leva-nos até Lamego – recomendamos um passeio pelo centro histórico, se não tiver pressa, uma visita ao castelo, um olá ao Santuário de Nossa Senhora dos Remédios. Mas a estrada torna-se realmente interessante no trajecto Lamego-Castro Daire. Sobe-se e desce-se a Serra de Montemuro, um monte agreste onde sopra um vento violento. A paisagem contrasta dramaticamente com a beleza domesticada do Douro. Fique atento às placas com nomes das terras, alguns dos mais originais da Estrada Nacional 2: Moira Morta, Pretarouca, Peixenino, Matança e Matancinha ou Colo do Pito.

Fundação Eça de Queiroz
DR

Fora da estrada

Praia Fluvial de Fornelos

Um desvio de 15 minutos da EN2, cruzamento à direita depois de passar o rio Sordo, leva-nos até esta praia fluvial. As águas transparentes e bem frias do rio Aguilhão são uma boa alternativa ao ar condicionado do carro.

Fundação Eça de Queiroz

Mesmo quem não tenha lido A Cidade e As Serras vai perder-se de amores pela Casa de Tormes, edifício que na verdade se chama Quinta da Vila Nova mas entrou na ficção com este nome. É aqui que está alojada a Fundação Eça de Queiroz, dedicada a divulgar a vida e a obra de um dos melhores escritores portugueses de todos os tempos. Pode visitar a Casa de Tormes, ver a secretária onde Eça escrevia e até o seu célebre monóculo. Pode ir de comboio (saída na estação de Arêgos + percurso pedestre de 3 km) ou de carro, uns 45 minutos a partir do Peso da Régua.

Praia Fluvial da Folgosa

Às portas de Castro Daire, na margem do rio Paiva, fica esta belíssima e tranquila praia fluvial. Não se deixe desencorajar pelo caminho – uma descida dramática, uma estrada que já viu melhores dias – e aproveite para dar um mergulho naquela que é considerada uma das águas mais limpas da Europa.

Publicidade
Barro negro de Bisalhães
DR

Sabia que...

No dia 29 de Novembro de 2016 o Barro Preto foi reconhecido como Património Cultural Imaterial da Unesco. Esta técnica de olaria da zona de Bisalhães está nas mãos de apenas cinco artesãos, todos com mais de 75 anos, e é uma actividade em vias de extinção. A loiça invulgar que produzem pode ser comprada na entrada de Vila Real, na Av. da Noruega, à direita de quem vem na EN2 no sentido Norte-Sul.

Publicidade