Barry Lyndon

Filmes, Drama
Escolha dos críticos
5 /5 estrelas
Barry Lyndon

A Time Out diz

5 /5 estrelas

O drama eminente e sumptuoso de Stanley Kubrick regressa ao grande ecrã

Nascido na Irlanda, pobre e sem futuro evidente, Barry Lyndon é um artista do golpe impassível, dotado ao mesmo tempo de rara habilidade para subir em hierarquias – as de dois exércitos e da aristocracia britânica do século XVIII – e da correspondente falta de carácter que lhe permite aproveitar ao máximo os seus talentos de oportunista.

O segredo de Barry está na impassibilidade. Como ele não parece ter emoções ou desejos por coisa alguma, as coisas acontecem-lhe com naturalidade, como se o mundo que o rodeia estivesse sempre a tentar impressioná-lo, mas sem sucesso.

Obrigado a fugir de casa depois de um romance adolescente de risco e de um duelo, Barry vê-se no meio das tropas inglesas por acidente, vai combater para a Europa, torna-se desertor de dois exércitos, junta-se a outros com as mesmas inclinações em matéria de sobrevivência pessoal e busca de prosperidade, casa-se com uma mulher rica e bela – e depois dá cabo de tudo por preguiça e incapacidade temperamental diante das circunstâncias, ficando sem a fortuna, a mulher e uma perna como quem perde as chaves ou a carteira.

As Memórias de Barry Lyndon, escrito por W. M. Thackeray em meados do século XIX e que está na origem do filme de Stanley Kubrick, é considerado o primeiro romance sem um herói. O que fez dele uma escolha surpreendente na época (1975; foi o filme que se seguiu à agitação de Laranja Mecânica) mas óbvia à distância.

Tal como o livro, Kubrick, mais uma vez, não tem interesse em julgar o personagem central, mas em observar friamente cada episódio da ascensão e queda de Barry. A maioria das peripécias acontece fora de campo, com o narrador a matar qualquer suspense, anunciando muito antes do fim que Barry está condenado. Visto por Kubrick, Barry é antes do mais uma criatura que luta por sobreviver e triunfar, instintivamente e sem grandes pensamentos sobre o assunto. Isto é, não muito diferente, no fundo, do computador de 2001: Odisseia no Espaço.

Com um orçamento extravagante, rodado sem pressas ao longo de um ano, as cenas nocturnas e os interiores filmados com lentes especiais, inteiramente à luz das velas, Barry Lyndon é acima de tudo uma manifestação radical e absoluta do próprio Kubrick. A câmara de Kubrick, o ponto de vista de Kubrick, a composição dos planos de Kubrick, as naturezas mortas construídas por Kubrick, a impressão geral de que tudo no filme é uma consequência da vontade clara e férrea de Kubrick  – isto é que é importante em Barry Lyndon.

O resto é a visão do mundo de Kubrick, gelada sobre o comportamento dos homens, mas sugerindo sempre, através das imagens que pacientemente criou para o filme, que a beleza, não sendo uma resposta, é pelo menos uma solução, muitas vezes a única. Não há muitos filmes assim.

Nuno Henrique Luz

Por Nuno Henrique Luz

Publicado:

Detalhes

Detalhes da estreia

Classificação
PG
Data de estreia
sexta-feira 29 julho 2016
Duração
184 minutos

Elenco e equipa

Realização
Stanley Kubrick
Argumento
Stanley Kubrick
Elenco
Ryan O'Neal
Marisa Berenson
Patrick Magee
Hardy Krüger
Steven Berkoff
Gay Hamilton
Marie Kean