Get us in your inbox

José Margarido

José Margarido

Crítico Comer&Beber

Moço da província, está convencido de que a melhor cozinha é sempre de conforto. Nunca soube escrever bouillabaisse e acredita que a receita da felicidade está inscrita numa açorda: pão, água, azeite e ervas – ser genial com o que se tem à mão.

Articles (3)

Prémios Time Out 2021: os vencedores que nos salvaram o ano

Prémios Time Out 2021: os vencedores que nos salvaram o ano

Dickens é um escritor natalício e a ele devemos parte do nosso imaginário colectivo para a quadra. A ideia de uma família unida, feliz apesar das adversidades, é um legado seu. Mas se o convocamos para aqui não é tanto pelo contributo dado para as celebrações modernas do Natal, é mais pelo início de uma frase que inscreveu na cultura popular a caligrafia vitoriana: “Foi o melhor dos tempos, foi o pior dos tempos”. Ao longo deste século e meio, abundaram oportunidades para o aplicar às mais diversas situações – e 2021 é uma delas. É uma descrição rigorosamente resumida do que vivemos este ano. Começou mal, muito, muito mal, e nunca, até hoje, deixou de ser assombrado pelo espírito do Inverno passado. E no entanto melhorou. Melhorou muito. A reabertura das lojas, dos restaurantes, dos bares, das festas e dos festivais – da vida, enfim – foi num crescendo de entusiasmo e entrega que nos deu a sensação de estarmos a viver o melhor dos tempos. Como na Time Out estamos habituados a deter o olhar no lado positivo das coisas, também o faremos para este ano de experiências polarizadas. É hora de fazer o balanço e celebrar quem se destacou nas áreas que acompanhamos semana após semana, dia após dia. É hora de regressar aos Prémios Time Out, desta feita com 32 categorias. Ora então, os vencedores são…

Tascas abertas em Agosto

Tascas abertas em Agosto

Sente que por estes dias é preciso um curso para ir comer fora? Estamos consigo. Há que saber se precisa de vacina ou tem de pedir uma zaragatoa de entrada, se pode reunir a família ou a tia fica numa mesa à parte, se a máscara é obrigatória para todos ou só para quem mastiga de boca aberta. E o pior é que em Agosto muita coisa fecha e a coisa tende a complicar-se. Perante isto, o melhor é estar atento ao que dizem as autoridades competentes: para saber quais as restrições aplicáveis à data, veja o que diz o Governo; para saber quais as boas mesas disponíveis este mês, veja o que diz a Time Out. Recomendado: As melhores tascas de Lisboa

Comefinamento: Reco Reco, o fast food vagaroso

Comefinamento: Reco Reco, o fast food vagaroso

Comer é um verbo que teimo em conjugar no gerúndio. Gosto muito de comer, evoco a toda a hora o que comi, exalto-me na antecipação do que comerei. Mas o que me enche mesmo as medidas é ir comendo. O gerúndio é o tempo ritual, da memória a acontecer; é o lugar onde o prazer vive e eu faço por demorar-me nele. É sobretudo por isso – e menos por intransigências de um palato pretensioso – que sou avesso à fast food. Raramente encomendo comida que leva tão pouco tempo a fazer quanto a desmilinguir-se. Mas de quando em vez lá cedo à tentação, e o essencial da história repete-se: começa com uma larica de janado e acaba com um remorso de penitente. Penso nisto no momento em que encomendo jantar, num domingo de sornice e indulgência. É a primeira vez que experimento o Reco Reco, serviço de entregas criado pelo Pigmeu, o restaurante de Campo de Ourique que fez fama a trabalhar carne de porco nose to tail, que é a maneira inglesa de dizer que o faz à boa maneira portuguesa, aproveitando toda e cada parte do bicho. A ementa, desenhada para este tempo de confinamento, é feita de gordices suínas, pensadas para criar água na boca e deixar nódoas no sofá. E eu decido empanzinar o serão com três doses para dois. Começamos com um cheese burguer (11,50€). Óptima a carne da Herdade Freixo do Meio, santuário da criação biológica ali nas bandas de Montemor-o-Novo (quem quiser pode encomendá-la, que um dos pontos de entrega em Lisboa é, precisamente, o Pigmeu). Chega entalada num pão de brioche que

Listings and reviews (27)

Recanto Serrano

Recanto Serrano

4 out of 5 stars

Hoje falamos de carqueja. A carqueja é um arbusto selvagem, embora a maioria apenas a conheça como medida cronológica. É uma daquelas referências maravilhosamente portuguesas, vagas e certeiras ao mesmo tempo. Se eu disser que nasci em mil nove e carqueja, forneço o essencial da minha idade (já sou antigo), sem revelar a minha lonjura exacta (serei qualquer coisa entre um adulto viçoso e uma carcaça centenária). A carqueja é uma unidade padrão de incerteza, que está para os anos como os picos estão para as horas. Para fugir ao rigor dos números, o português costuma tornar-se silvestre. É desta espécie de giesta, muito usada para fins terapêuticos, que quero falar. A carqueja é boa para o fígado, para combater os diabetes, para reduzir o colesterol. Mas é sobretudo boa para o arroz. E foi por ela que trepei a Ajuda para me estrear no Recanto Serrano. A última vez que comi arroz de carqueja terá sido em dois mil e picos (poucos picos, não sei precisar quantos – se soubesse não seriam picos) e guardo uma excelente memória do acontecimento. Foi lá na Serra. Era arroz simples, sem outros acrescentos, feito para escoltar um belíssimo cabrito no forno, daqueles que nos deixam incapazes de rever o Bambi sem nos mortificarmos de culpa. Havia, portanto, uma memória perfeita a ameaçar esta experiência. E este preâmbulo serve para caucionar a seguinte afirmação: o arroz de carqueja do Recanto Serrano é muito bom. Chega servido num tachinho de ferro, o carolino bem humedecido no caldo, ma

Kaia Kahina

Kaia Kahina

4 out of 5 stars

Os cominhos são como os pontos de exclamação. Exigem parcimónia e rigor. Na conta, são insubstituíveis, dão a entoação certa, um sabor único; em exagero, são insuportáveis, falam por cima de tudo, enjoam. Tenho a sensação de que há cada vez menos gente a saber usar a especiaria e cada vez mais gente a abusar da pontuação. É por isso com cuidadosa ponderação que teço o seguinte comentário ao prato central desta refeição: mas que belo sarapatel! O sarapatel é uma espécie de filme de terror de série B. Fígados, rins, pulmões, corações, orelhas e pescoços golpeados, tudo ao molho numa tachada de vísceras e sangue coagulado. É uma barbaridade que, em diferentes versões, se encontra no Norte do Alentejo, no Minho, no Nordeste do Brasil, em Goa, em Moçambique. As carnes vão variando – porco, cabrito, borrego –, o jogo das especiarias também, mas duas coisas são constantes em todas as latitudes: o sangue e os cominhos, dois ingredientes com uma amizade antiga, testemunhada em morcelas, sarrabulhos e cabidelas. Aliás, é sabido, os cominhos são bons para o sangue – o nosso – pela riqueza em vitaminas e ferro. Já li que também são bons para a digestão, para a memória e para mais umas coisas de que agora não me lembro. Estou à mesa do Kaia Kahina, restaurante moçambicano escondido numa praceta tranquila da Parede, concelho de Cascais. Uma sala discreta, algures entre a simplicidade de um refeitório e o aconchego modesto de uma casa familiar, a que se chega por uma porta secundária, passa

Colina

Colina

3 out of 5 stars

Rissol é nome de coisa feliz. Tem alegria inscrita na fonética. Tanto que, mesmo cedilhada, a palavra continua luminosa – riçol. Riçol é sinónimo de redanho, outro nome para a gordura que envolve os intestinos do porco; donde, o torresmo do riçol. Reparem como o som muda tudo: riçol é nome de iguaria que se agarra com dois dedinhos, redanho soa a porcaria que se agarra debaixo das unhas. Redanho, já agora, é também nome para uma rede de pesca que serve para apanhar camarão, que por sua vez serve para enfiar no rissol – mas isso já é ir para fora de pé. Voltemos ao início. Rissol é nome de coisa feliz. É por isso especialmente triste encontrar tanto mau rissol, desgraçadamente industrializado, recheio processado, óleo saturado. É também por isso que continua a valer a pena regressar ao Colina, restaurante que por vários anos figurou no Guia de Restaurantes Time Out, sempre com o mesmo recado: “obrigatório provar os rissóis de camarão”. Por aí, nada mudou. Esta refeição começa com um exemplar perfeito, que me reconcilia com a alegria do rissol e redime anos de azias sofridas com meias luas molengas e gordurosas. É pequeno mas bojudo, chega acabadinho de fritar, massa firme e enxuta, recheio cremoso a envolver um só camarão inteiro, grande e carnudo. Uma felicidade. São 20.30 de uma segunda-feira à noite e a casa está à pinha. É um bom indicador de consistência para um restaurante clássico de bairro. Vejo muitos estrangeiros encaminhados por concierge de hotel, é certo, mas muit

Das Flores

Das Flores

5 out of 5 stars

A iminente construção de um hotel no prédio do restaurante Das Flores, no Chiado, fez anunciar o fecho de uma das tascas mais concorridas e amadas do Chiado. Mas o Sr. José Fernandes por lá continua, forte, a abrir só aos almoços. Às terças, sextas e sábados há croquetes com arroz de tomate (imperdíveis, também estão disponíveis como couvert). As iscas e os pastéis de bacalhau, agora só às quintas, são outros pratos obrigatórios. Tudo caseiro e em doses generosas.   Crítica Desafiaram-me a regressar ao Das Flores. A princípio, não vi a finalidade. Há anos que isto é o segredo mais mal guardado do Chiado, refúgio de boa comida caseira a preços de antigamente, numa zona onde não abunda uma coisa nem outra. Vai daí, fui tirar medidas às bocas do povo. Eis as queixas que identifiquei em 40 comentários de Zomato e outros tantos de Tripadvisor e que levaram muitos utilizadores a subtrair uma estrelinha ou duas à avaliação final: 1) está sempre cheio; 2) só abre para almoços; 3) fecha ao domingo. Por mim, aproveitava a boleia desta rapaziada e tinha o texto feito. O número 1 diz-me que a qualidade da casa não esmoreceu e esta continua a ser uma das melhores tascas de Lisboa. E aos números 2 e 3 bastará acrescentar morada e número de telefone para termos a infoline completa. Maneira que é isto. Muito obrigado a todos, voltem sempre, mas não se esqueçam de reservar. Acontece que há muito que aqui não vinha e uma boa amiga minha insistia que queria voltar comigo onde

Zé Varunca

Zé Varunca

5 out of 5 stars

Antes de chegar ao Bairro Alto, Zé Varunca chegou a Oeiras. A família saiu de Estremoz para a Parede em 2002 e dois anos depois instalou a sua cozinha regional com as loiças de barro pintadas a condizer no centro da vila. Desde Dezembro de 2021, estão numa nova morada, na Avenida Engenheiro Bonneville Franco, em Paço de Arcos, mas a comida é a mesma de sempre: cozido de grão com vagens, sopa de cação, açordas, sopa de tomate, ensopado de borrego, pezinhos de coentrada e por aí fora em doses que alimentam uma família. No final, desça até à praia para fazer aquela caminhada que sempre ajuda à digestão. CríticaSuspeito que o segredo é porco. Ninguém me diz, também não pergunto. Há por aí quem finja alternativas com manteiga – banha da cobra, digo-vos eu! A melhor doçaria tradicional portuguesa tem algo de porco. Dos coscorões aos pitos de Santa Luzia, tudo porco. E os conventuais, abençoados sejam, são os que mais dão no toucinho. É o caso do tecolameco, uma tarte achatada à base de amêndoa. Neste regresso ao novo Zé Varunca, o meu amigo e eu fechamos o almoço com esta preciosidade conventual. É o meu sonho húmido de sobremesa e o pesadelo de um vegan circuncidado: ovos às dúzias e um naco de banha. Mas é, sobretudo, o final exemplar para uma refeição que, das entradas ao digestivo religioso apuro o melhor cânone da cozinha alentejana. O almoço esteve quase a ir com os porcos. Sexta-feira, 12.45, já se recusa clientela. Sem reserva, nada feito (fica o aviso). Por sorte, resta um

Imperial de Ourique

Imperial de Ourique

4 out of 5 stars

Não se pode dizer que seja um segredo, ou não tivesse esta casa uma imagem gigante de uma francesinha na vitrina, com a afirmação de que ali se faz “provavelmente a melhor francesinha de Lisboa”. No entanto, quem conhece a Imperial de Ourique (quase) prefere não partilhar o lugar. Compreende-se: o espaço é pequeno, com menos de 20 lugares, quase tudo habitués. Há sempre alguém a comer francesinha, mas na carta há pratos do dia em conta, dois de peixe e dois de carne – no dia em que por lá passámos sem aviso havia, por exemplo, bacalhau à Brás (7,50€) e feijoada à transmontana (7€). A francesinha é feita à moda do Porto, picante como dita a tradição, com bife, linguiça e salsicha, queijo com fartura e ovo. Na carta, a Imperial de Ourique (não confundir com a Imperial de Campo de Ourique) distingue entre a francesinha com bife (8€) e a francesinha com bife à casa (9,50€), que leva acrescento de bacon e presunto, explicam-nos. Há ainda variações como a francesinha com hambúrguer (7,80€) ou a francesinha com bife de peru ou bifana (8€). A batata, em palitos sem medida certa, é caseira, como se quer.   Crítica Todas as pistas servem para farejar tascas. Menus à entrada, gente à porta, sinais de fumo e cheiros exauridos, comentários de amigos, bocas de desconhecidos. Por vezes, imagine-se, até coisas escritas na Time Out. Dá-se o caso. Dizem-me estes senhores, em edição recente, que na Imperial de Ourique se come uma francesinha a preceito e em conta. Ora, talvez não saibam, tampou

Moisés

Moisés

3 out of 5 stars

Diz-se clássico do que resiste ao tempo e serve de modelo; diz-se também do que é sóbrio, do que é tradicional ou do que é apurado; diz-se ainda do que é regular e habitual. E tudo isso se pode dizer do Moisés, casa já antiga do Saldanha, onde só agora me estreio. Mas enfim, também se diz que nunca é tarde para descobrir os clássicos. Dou por mim neste esforço lexicológico enquanto me decido entre as pataniscas com arroz de feijão (9,20€) e o steak au poivre (18.95€). Estou numa das mesas da sala sobrecomprida e vou tirando a pinta à freguesia, com uma certa inveja dos lugares ao balcão de inox. Dou um trago no tinto da casa, limpo os beiços a um guardanapo de pano branco imaculado e concluo que um restaurante clássico é mais ou menos isto: uma carta tradicional com opções de cozinha internacional, um certo afã de cervejaria, um toque de elegância antiga, escolhas para almoço diário ou jantar especial, uma clientela que trata o empregado pelo nome e se despede até amanhã. Vou nas pataniscas. Percebo que são prato do dia à terça-feira, numa carta onde conto umas trinta entradas, variando umas cinco a seis por cada dia da semana. A massa não tem mais de um dedo, quase estaladiça, enxuta q.b. e bem temperada, e faz-se acompanhar por um arroz de feijão simpático, caldoso sem ser malandro, com alguma batota de porco a dar gosto. Na mesma refeição, provam-se umas lulas grelhadas, que não são frescas, mas cuidadosamente descongeladas, chegam no ponto de grelha, regadas com um molho

Casa da Índia

Casa da Índia

3 out of 5 stars

Leio o comentário de um estrangeiro sobre a Casa da Índia. Diz ele: “The name doesn’t really fit the place since it’s proper Portuguese food and not Indian.” Solto um suspiro, enfadado com um mundo cada vez mais literal, de traduções instantâneas e contextos preguiçosos. Quem deduz que a Casa se diz da Índia por ser indiana, suponho, é bem capaz de entrar na Casa dos Passarinhos à procura de periquitos. E nem imagino o que espera encontrar na Casa dos Bicos. Na verdade, o nome assenta bem. A Casa da Índia é um lugar indeciso, qualquer coisa entre um restaurante e uma marisqueira, meio tasca, meio churrasqueira, onde há sempre gente a chegar, travessas a sair e coisas a acontecer, numa algazarra de sons, cores e cheiros. E esse charivari cola bem ao imaginário de comércio portuário que o nome evoca. Prossegue o gringo, com a mania que é a Time Out: “Go for the grilled octopus with potatoes”. E aqui fico com a leve suspeita de que o rapaz não é parvo de todo. Porque a grelha é, de facto, um dos pontos fortes da casa, mais consistente que a comida de tacho, e o polvo na brasa (12€) é uma das apostas seguras (chega bem grelhado, quase já ressequido por fora, tenro e húmido ao centro), assim como o frango assado é o bicho com mais saída (meio a 7,5€, inteiro a 14€). Nestas minhas últimas incursões, porém, escolhi outros caminhos. Primeiro, num almoço, sábado, duas da tarde, casa apinhada num glorioso escarcéu pré-Covid. Libertador. A ementa do dia, como em qualquer outro, alonga-s

O Rodas

O Rodas

3 out of 5 stars

A posta mirandesa de avestruz está entre os pratos que mais gozo me deram na vida. Não por ser especialmente bom, mas por ser bestialmente parvo. Rir, confesso, é dos maiores prazeres que tenho à mesa, e vinte anos depois de ter avistado a proposta inscrita numa ementa algures ao sul do Tejo, ainda me griso com a lembrança. Recordo isto frente a uma chanfana de javali no Rodas, ao Largo do Rato. A chanfana é uma gloriosa criação da gastronomia de subsistência, um estufado feito com muito tinto e horas de paciência para uma cabra velha ou uma ovelha estafada, e ver a receita aplicada a outro animal pode parecer tão inusitado como a posta do galináceo. Mas a verdade é que o processo pensado para amansar uma carne dura como cornos funciona lindamente com a carne tesa e sempre em risco de secar do javali. Quem tiver dúvidas, passe aqui numa segunda-feira. O Rato é lugar central e de passagem, plataforma giratória de gente a caminho de outro sítio qualquer. Hoje é a segunda seguinte às eleições, e pode até parecer que estou a fazer análise política matreira, mas quero apenas ajudar a explicar a clientela da casa, que é composta em iguais partes por militantes de todos os dias e simpatizantes de ocasião. São 12.30 e o Rodas está preenchido como de costume, entre polícias e carteiros, gente com ar de quem trabalha com as mãos e malta de fatinho que, estou capaz de apostar, vem do edifício rosa no outro lado da rua. O javali chega, mansinho, numa travessa generosa, escoltado com boa

Cabana da Estrela

Cabana da Estrela

3 out of 5 stars

A honestidade é uma coisa barata. Não quero com isto dizer que vale pouco – apenas que é uma virtude valorizada consoante o preço. Exemplo. Se dizemos que um vinho é honesto, falamos talvez de um vinho consensual, redondo, sem grande ciência, mas falamos certamente de um vinho barato. É honesto porque é bonzinho e não finge ser outra coisa; mas sobretudo é honesto porque, sendo o que é, até nem é caro. Creio que o mesmo se aplica aos restaurantes. Se descubro uma capelinha com comida de conforto, sempre bem feita e sem grandes truques, onde após várias inspecções não consigo topar nada aldrabado, e no fim nunca me pedem mais que uma nota de dez para ir das azeitonas à sobremesa com tudo a que tenho direito, apetece-me dizer simplesmente que o sítio é honesto e não estar com mais conversas. Honestamente, é o caso. Ainda assim, já que me encomendaram o sermão, terei de vos maçar com mais algumas palavras. O nome Cabana da Estrela lembra a manjedoura do presépio e a casa é gerida pela santíssima trindade das tascas lisboetas: mãe na cozinha, pai ao balcão, filha nas mesas. Na sala acomodam-se duas dúzias com boa vontade e convém chegar sempre antes do meio-dia e meia. Depois disso, santa paciência, é esperar ou ir pregar noutra freguesia. Lá dentro, misturam-se os coletes reflectores da malta que anda a escavar o Metro na Estrela e as camisas engomadas de quem trabalha às portas da Lapa. De resto, o cenário é o que se espera – balcão em inox, toalhas em papel branco, ementa em a

Petisco Saloio

Petisco Saloio

5 out of 5 stars

O frango à caçador sempre me intrigou. Sabendo que aquilo não é bicho de correr livre pelo campo, imaginava que tudo começaria com uma cena de tiro dentro da capoeira. Em boa altura me explicaram que era apenas a adaptação do prato tradicional de coelho bravo. Ora, acontece que o coelho à caçador que vou encontrando é também ele uma adaptação do original – nem o animal é de caça, nem se usa já o sangue. Ainda assim, é daqueles exemplares da cozinha de paciência e lume brando que nunca recuso. E é com ele que me estreio no Petisco Saloio. Não é a primeira vez que escrevo sobre o lugar, mas nunca cá tinha posto os pés. Era Abril, estávamos em confinamento e a comida foi-me entregue. Já lá vai o tempo, e tomo por isso a liberdade de me plagiar nas apresentações. A casa é hoje mantida por Carlos Pinheiro e Diogo Meneses, dois rapazes que, calculo, não eram ainda nascidos quando ela foi aberta, há trinta e tantos anos, por um casal de Paredes de Coura. Chamava-se O Buraquinho e, ontem como hoje, resumia-se a uma sala esconsa onde se senta uma dúzia de comensais à vez (há outros tantos lugares na esplanada coberta, para quem goste de apanhar fresco ou não goste de apanhar vacinas). A dupla tomou conta do espaço há uns três anos e o resto é uma história felizmente cada vez menos original em Lisboa: malta nova, talentosa e com sólida formação, que se inspira na cozinha tradicional e vai dando vida nova a velhas tascas. A casa funciona a dois tempos. Ao almoço, com um menu completo po

Toscana Casa de Pasto

Toscana Casa de Pasto

4 out of 5 stars

“O mar?! Mas o que tem o mar a ver com os meus peixes?! Ordralfabetix, in ‘Asterix, A Grande Travessia’ O peixeiro de Astérix só vende mercadoria importada de Lutécia. Apesar de estar encostada ao mar, a aldeia gaulesa recebe o peixe em carros de bois vindos da capital, umas 200 léguas para o interior. A frescura do produto é razão recorrente de peixeirada, normalmente resolvida ao tabefe, mas Ordralfabetix não se demove: “Abasteço-me nos melhores armazenistas! Não vou vender peixe saído da água, sem garantia de qualidade!” A cena ocorre-me sempre que penso em comer peixe em Lisboa. Tal como naquela aldeia imaginada por Goscinny, há qualquer coisa nesta cidade sonhada por Ulisses que a divorcia do mar. A água é já ali, mas são raros os sítios de peixe fresco, descomplicado e a preços honestos. E isso deixa-me escamado. Se quisermos uma grelha competente, então, o caso complica-se. Para o lisboeta comum, carapau assado equivale a um chicharro de palmo e meio, carbonizado e falecido, a pedir manobras de reanimação com um molho à espanhola. Sobram, ainda assim, alguns irredutíveis. E o Bigodes é um deles. A Toscana Casa de Pasto (nome oficial) resiste em Alcântara há muitos anos e desde sempre no Guia de Restaurantes da Time Out. Há coisa de uma década, a velha tasca deu lugar a um bistrô arrumadinho, mas desafectado, que manteve o essencial: bom produto, grelha certeira e um dialecto próprio criado pelo senhor Emídio, figura que empresta a alcunha à casa e que parece ter sido d

News (3)

Comefinamento: O Velho Eurico

Comefinamento: O Velho Eurico

Esta refeição custou-me três chamadas, um e-mail, mensagens em duas redes sociais e uma pungente sensação de que começo a ficar fora de prazo. No fim, ainda tive de cozinhar. Mesmo assim, garanto-me capaz de repetir tudo de novo. Mas voltemos ao princípio. O Velho Eurico conta uma história que nos reconcilia com a Lisboa modernaça, essa cidade que florescia inexoravelmente no limiar de 2020, no tempo em que a palavra “pandemia” talvez passasse por uma delicatésse feita à base de massa-mãe. É a história de uma boa tasca de antanho ressuscitada por uma falange de gaiatos talentosos, que enxertaram técnica na cozinha e cuidado na ementa, sempre com sentido telúrico, inspiração tradicional e exaltação taberneira, e que com tudo isso montaram uma mesa que é toda ela Lisboa. Uma história, de resto, já bem contada. Há precisamente um ano, depois de ter sido feliz nas traseiras de São Cristóvão, o mestre Alfredo Lacerda – que uma vez mais cito sem mandato – descreveu certeiramente o boteco como um “exemplar da neo-bistronomie tuga”. É para ler como elogio. Ora, quando soube que o Velho Eurico mantinha a cozinha aberta, apressei-me a mandar vir. E se eu mandei vir! Uma hora e picos após ter decidido a encomenda ainda tentava consumá-la, já numa impaciência asneirenta, e por pouco não mandei o Velho para o mais-velho. Liguei para o restaurante, ninguém atendeu; enviei mail, ninguém respondeu; fui ao Facebook, ninguém deu a cara; dirigi-me ao Instagram da casa, ninguém contestou. Por úl

Comefinamento: Taberna da Rua das Flores

Comefinamento: Taberna da Rua das Flores

Diz-se que o tempo faz ao vinho o mesmo que aos homens: apura os bons, azeda os maus. É um belo rifão que se pode aplicar também à comida. Não falo do tempo como condimento, das virtudes do lume brando ou dos milagres do vagar na cozinha. Falo da esperança média de vida de um prato depois de feito. É esse tempo que me importa cronometrar quando encomendo comida.Penso nisto dois dias depois de a Taberna da Rua das Flores me ter trazido o jantar a casa. Recordo que nesse anteontem me tinha esquecido de almoçar e, em retrospectiva, encontro aí a razão de me ter alambazado na encomenda e estar agora a tentar reanimar dois amorosos fígados de pato que sobraram. Bastam três minutos de fogo e as glândulas ressuscitam, tenras e suculentas como as descobri 48 horas antes, num suave dégradé de cozedura interior. Junto-lhe um ovo estrelado, em escrupulosa observação da lei universal dos pratos reaquecidos, e quase grasno de alegria.Dir-me-ão: “Oh Zé, pá, mas nem toda a comida aguenta de um dia para o outro!” Bom, antes de mais, folgo em saber que já temos à-vontade suficiente para me tratarem por Zé. E depois respondo-vos que sim, bem sei, nem todos os pratos têm a mesma longevidade. Mas a questão é esta: na comida, a resiliência é sempre medida de qualidade. Uma pizza, como há dias o mestre Alfredo Lacerda bem pregava nesta crónica, é para comer acabadinha de fazer, o que faz dela um potencial disparate do delivery. Mas mesmo em rigor mortis é possível a avaliação: se a pizza for boa,

Comefinamento: Tasquinha do Lagarto

Comefinamento: Tasquinha do Lagarto

Os diminutivos são uma das grandes invenções portuguesas. Servem-nos para tudo e para o seu contrário – sobretudo à mesa. Um diminutivo é capaz de domesticar uma contrariedade (“vai demorar um bocadinho”), almofadar uma má notícia (“aqui tem a continha”), ou até prevenir queimaduras de segundo grau (“ainda está um bocadinho quente”). A guarnição de um sufixozinho tem também o dom de subverter qualquer noção de escala e fazer uma alarvidade passar por uma délicatesse. Teria uns 15 anos quando pela primeira vez li um texto do Miguel Esteves Cardoso a teorizar sobre a prodigiosa relação entre tachos e sufixos. Explicava ele que “um ‘arrozinho’ deixa de ser um ‘mero arroz’ só quando a capacidade da panela, e o corpo de baile de lagostins, ultrapassa a lotação média do São Luiz”.Reencontro-me com esse texto, “Almoço”, folheando As 100 Melhores Crónicas (livrinho de 364 páginas), no exacto dia em que encomendo o jantar na Tasquinha do Lagarto. Sorrio da coincidência que me veio dar uma ajudinha para arrancar a prosa. E depois penso que há três décadas que o cânone de MEC ajuda gerações inteiras a escrever, incluindo muita gente que nem se dá conta disso. DR       Tasquinha é, em si, um belo exemplar de diminutivo. Em tempo de paz, o sufixo acomoda uma sala de 90 lugares sempre ao barrote e faz as honras da casa: sim, tem qualquer coisa de tasca, na cozinha de tradição popular e nos decibéis do convívio, mas os guardanapos são de pano (amorosos, com um lagartinho bordado). De rest