Get us in your inbox

Xavier Amat

Xavier Amat

Articles (857)

51 lugares de Cataluña que debes conocer

51 lugares de Cataluña que debes conocer

Hay lugares de Cataluña que son de visita obligada. Desde los Pirineos hasta los cientos de kilómetros de costa mediterránea con encantadoras calas. Capitales que conservan grandes monumentos históricos que narran nuestro pasado y rincones que parecen anclados en tiempos medievales. También tenemos parques naturales y Patrimonios de la Humanidad a raudales, así como pequeñas ciudades y pueblos –algunos muy cerca de Barcelona y preciosos– que merecen una visita independientemente de la época del año. Es tan fácil encontrar el destino ideal para cada ocasión, tanto si queréis hacer una simple escapada, o practicar montañismo. ¿Queréis saber cuáles son los lugares de Catalunya que tenéis que ver, al menos, una vez en la vida? ¡Aquí tenéis la lista! NO TE LO PIERDAS: Los pueblos más bonitos de Catalunya

As melhores músicas de karaoke

As melhores músicas de karaoke

“Ponha o microfone à frente, muito disfarçadamente.” A letra é de “Playback”, a célebre música de Carlos Paião, que figura nesta lista de sugestões para brilhar numa sala de gente pronta a cantar, ou tentar cantar, no karaoke. Mas há muito mais por onde escolher, entre clássicos portuguesões e internacionais. Onde quer que seja a festa, não queremos que lhe faltem soluções cantantes para dar tudo de microfone em mãos. Eis as melhores músicas de karaoke que queremos que cante. Recomendado: Karaoke em Lisboa: o microfone continua de pé

Os 100 melhores filmes de sempre

Os 100 melhores filmes de sempre

Vamos ser claros: adoramos filmes. Todos adoram. O problema é que nem todos partilham o mesmo entusiasmo pelos mesmos filmes. E é isso que torna a tarefa de compilar uma lista dos melhores filmes de sempre particularmente desafiadora. Então, porquê tentar? Bem, gostamos de encarar este exercício menos como uma tentativa de definir um cânone e mais como um trampolim – talvez "mapa" seja a palavra mais adequada. Se está a preencher as lacunas do seu conhecimento cinematográfico, ou apenas a começar a construí-lo, estes 100 filmes são um excelente ponto de partida. Mesmo que já tenha visto todos, talvez isso o obrigue a reconsiderar as suas próprias noções preconcebidas sobre o que torna um filme extraordinário. Certamente, não concordará com tudo, ou com a maioria, mas fizemos questão de abranger o máximo possível, desde blockbusters a filmes independentes, comédias absurdas a terror perturbador, thrillers alucinantes a filmes de acção cheios de adrenalina. Quer se apaixone por algo novo ou fique irritado com o que não está aqui, temos a certeza de que esta lista vai mexer consigo – e é isso que todos os grandes filmes deveriam fazer. Textos de Abbey Bender, Dave Calhoun, Phil de Semlyen, Bilge Ebiri, Ian Freer, Stephen Garrett, Tomris Laffly, Joshua Rothkopf, Anna Smith e Matthew Singer Recomendados:🤓 Clássicos de cinema para totós❤️ As melhores comédias românticas de sempre⭕️ Dez filmes eróticos e de SM a sério📺 Todos os filmes com nomeações aos Óscares que pode ver em cas

Off Broadway shows, reviews, tickets and listings

Off Broadway shows, reviews, tickets and listings

New York theater ranges far beyond the 41 large midtown houses that we call Broadway. Many of the city's most innovative and engaging new plays and musicals can be found Off Broadway, in venues that seat between 100 and 499 people. (Those that seat fewer than 100 people usually fall into the Off-Off Broadway category.) These more intimate spaces present work in a wide range of styles, from new pieces by major artists at the Public Theater or Playwrights Horizons to revivals at the Signature Theatre and crowd-pleasing commercial fare at New World Stages. And even the best Off Broadway shows usually cost less than their cousins on the Great White Way—even if you score cheap Broadway tickets. Use our listings to find reviews, prices, ticket links, curtain times and more for current and upcoming Off Broadway shows. RECOMMENDED: Full list of Broadway and Off Broadway musicals in New York

Time Out discount theater tickets

Time Out discount theater tickets

Human beings have been creating theater for millennia, and for probably just as long they have been looking for ways to pay less for seats. There are many strategies for finding cheap Broadway tickets and Off Broadway tickets, but the easiest involves discount codes, which allow you to buy in advance and choose your seats so you don't have to scramble for last-minute tickets. We here at Time Out have partnered with a number of Off Broadway productions to set up deals to cut your costs.

Complete A-Z list of Broadway musicals and Off Broadway musicals in NYC

Complete A-Z list of Broadway musicals and Off Broadway musicals in NYC

Broadway musicals are the beating heart of New York City. These days, your options are more diverse than ever: cultural game-changers like Hamilton and raucous comedies like The Book of Mormon are just down the street from quirky originals like Kimberly Akimbo and family classics like The Lion King. Whether you're looking for classic Broadway songs, spectacular sets and costumes, star turns by Broadway divas or dance numbers performed by the hottest chorus boys and girls, there is always plenty to choose from. Here is our list of all the Broadway musicals that are currently running or on their way, followed by a list of those in smaller Off Broadway and Off-Off Broadway venues. RECOMMENDED: The best Broadway shows

Dez curiosidades históricas sobre o Carnaval

Dez curiosidades históricas sobre o Carnaval

Calha sempre a uma terça-feira, é um feriado (facultativo) móvel e é também a desculpa perfeita para usar aquela roupa há muito escondida no armário ou aquele fetiche estranho guardado no fundo da gaveta. Há muitas teorias sobre as origens do Entrudo, das linhas pagãs às religiosas. Certo é que o Carnaval continua a celebrar-se um pouco por toda a parte e a combinar as mais variadas expressões culturais, exibindo-se através de rituais pagãos que celebram o novo ciclo agrícola ou de biquínis reduzidos em pleno Inverno. É também verdade que a festa foi mudando ao longo dos tempos, mas que nunca perdeu a vontade que dela faz parte: quebrar totalmente a rotina. Fique a saber mais um pouco desta festa onde, de católicos a ateus, supostamente ninguém leva a mal. Recomendado: Já sabe o que vai fazer aos miúdos no Carnaval?

Upcoming Broadway shows headed to NYC

Upcoming Broadway shows headed to NYC

Seeing a show on Broadway can require some planning in advance—and sometimes a leap of faith. You can wait until the shows have opened and try to see only the very best Broadway shows, but at that point, it is harder to get tickets and good seats. So it’s a good idea to keep an eye on the shows that will be opening on Broadway down the line, be they original musicals, promising new plays or revivals of time-tested classics. Here, in order of when they start, are the productions that have been confirmed so far to begin their Broadway runs in the early months of 2024. (Other shows may be added if and when they are formally announced.) Recommended: Current and Upcoming Off Broadway Shows

The best magic shows in New York City

The best magic shows in New York City

We all need a bit of magic in our lives, and New York offers plenty to choose from beyond Harry Potter and the Cursed Child. Some of the city's best magic shows are proudly in the old presentational tradition of men in tuxedos with tricks up their sleeves; others are more like Off Broadway shows or immersive theater experiences. When performed well, they welcome you to suspend disbelief in a special zone where skills honed over the course of years meet the element of surprise. Why not allow yourself a few illusions?

The best ways to get last-minute Broadway tickets

The best ways to get last-minute Broadway tickets

Getting seats to the best Broadway shows usually requires a lot of planning in advance. But if you need to find last-minute Broadway tickets—for shows the same day, or just a few days away—you do have some good options. It all depends on how much you are willing to pay, how much you are willing to wait and how much risk you are willing to take. If everything goes your way, you might even luck into cheap Broadway tickets, great seats or a chance to see hit shows that you would never have been able to get into earlier. (Hello, Hamilton!) Here is our procrastinator's guide to buying last-minute Broadway tickets. RECOMMENDED: Full guide to all Broadway shows 1. Line up at TKTS The big red steps in Duffy Square, on Broadway at 47th Street, mark the flagship location of TDF’s TKTS Booth, the standard destination for discounted same-day tickets to Broadway shows. All but the biggest Broadway smashes are on sale there, many at 50 percent off; if you are not looking to see a musical, there is a "Play Only" window that will cut down your wait time. You can now also purchase tickets to the following day's matinee, when applicable. To see what is available on a given day, download the TKTS app or visit its website. A second TKTS location, at Lincoln Center’s indoor David Rubenstein Atrium, is less crowded and provides the same great deals. 2. Try TodayTix or discount codes If you don’t feel like standing in line at TKTS, or you want to make sure you can get seats to a specific show you h

Herman José: cinco vídeos que a Geração Z não conhece (e precisa)

Herman José: cinco vídeos que a Geração Z não conhece (e precisa)

Quem acordou recentemente para o humor nacional pode não entender logo a importância que os 50 anos de carreira de Herman José tiveram para a comédia portuguesa. Hoje é o homem do leme do programa da RTP1 Cá por Casa, mas ao longo das últimas décadas foi o inesquecível criador de programas de humor como O Tal Canal, Hermanias, Casino Royal, Herman Zap, Herman Enciclopédia, Crime na Pensão Estrelinha, Hora H, entre muitos outros, liderando também concursos ou programas de entrevistas como Parabéns, Com a Verdade M'Enganas ou Roda da Sorte. Homem de muitos talentos, de humorista e actor a argumentista e cantor, a carreira de Herman José foi marcada por muitos momentos inesquecíveis. Relembre (ou veja pela primeira vez) cinco deles. Recomendado: Espectáculos de stand-up na Netflix que vale a pena a ver

Cinco coisas que não sabe sobre o Dia dos Namorados

Cinco coisas que não sabe sobre o Dia dos Namorados

Um encanto para uns, um enjoo para outros. O Dia de São Valentim, ou Dia dos Namorados, é um verdadeiro frenesim consumista, mas por outro lado é mais uma desculpa para celebrar o amor. Em Lisboa temos um santo casamenteiro e vai ler já de seguida como Santo António também está de alguma forma ligado ao Dia dos Namorados, embora longe de Portugal. De qualquer forma, assim sempre temos a oportunidade de falar sobre namoro e casamento duas vezes por ano, a 14 de Fevereiro e a 13 de Junho, feriado municipal em honra ao santo do amor lisboeta. Recomendado: Sete filmes sobre o Dia dos Namorados

Listings and reviews (1507)

Casa Fernando Pessoa

Casa Fernando Pessoa

Não foi a primeira, nem a segunda casa do poeta. Mas foi a última. A morada de Fernando Pessoa, para onde se mudou em 1920, fica num prédio adquirido na década de 80 pela Câmara Municipal de Lisboa que na sua posse tinha parte relevante do espólio pessoano. Como a cómoda que fazia parte do quarto de Pessoa ou a estante onde guardarva os seus livros. Depois de ter estado fechada durante um ano para obras no edifício, a casa reabriu no Verão de 2020 com uma área expositiva maior, dividida pelos três pisos. A exposição começa com um núcleo dedicado aos heterónimos de Pessoa, o segundo acolhe a biblioteca pessoal do poeta e uma zona de exposições temporárias, e, por último, o primeiro piso recria o apartamento de Fernando Pessoa exatamente naquele espaço. Este núcleo é mais biográfico e é onde estão expostos documentos como o bilhete de identidade, o contrato de arrendamento do apartamento, objectos pessoais e até a folha onde escreveu a célebre frase "I know not what tomorrow will bring". A Casa Fernando Pessoa renovou também a biblioteca do espaço dedicada ao poeta e à poesia, e deslocou o auditório para o piso térreo para poder funcionar independentemente da Casa. 

Quinta do Pisão

Quinta do Pisão

Na Grande Lisboa, o campo nunca anda muito longe da urbe e a Quinta do Pisão é um belo exemplar. Faz hoje parte do Parque Natural de Sintra-Cascais e está sempre aberta para visitas. Além do património ecológico, é possível visitar equipamentos recuperados pela Câmara Municipal de Cascais, como estábulos, eiras, poços ou mesmo os fornos que durante o século XIX ajudavam à produção de cal nesta zona. Os animais residentes vivem em modo livre, de cavalos e burros a ovelhas e cabras. Se estiver a pensar numa visita, explore a hipótese de se inscrever num passeio interpretativo.

Oh, Mary!

Oh, Mary!

5 out of 5 stars

Theater review by Adam Feldman  Cole Escola’s Oh, Mary! is not just funny: It is dizzyingly, breathtakingly funny, the kind of funny that ambushes your body into uncontained laughter. Stage comedies have become an endangered species in recent decades, and when they do pop up they tend to be the kind of funny that evokes smirks, chuckles or wry smiles of recognition. Not so here: I can’t remember the last time I saw a play that made me laugh, helplessly and loudly, as much as Oh, Mary! did—and my reaction was shared by the rest of the audience, which burst into applause at the end of every scene. Fasten your seatbelts: This 80-minute show is a fast and wild joy ride. Escola has earned a cult reputation as a sly comedic genius in their dazzling solo performances (Help! I’m Stuck!) and on TV shows like At Home with Amy Sedaris, Difficult People and Search Party. But Oh, Mary!, their first full-length play, may surprise even longtime fans. In this hilariously anachronistic historical burlesque, Escola plays—who else?—Mary Todd Lincoln, in the weeks leading up to her husband’s assassination. Boozy, vicious and miserable, the unstable and outrageously contrary Mary is oblivious to the Civil War and hell-bent on achieving stardom as—what else?—a cabaret singer.  Oh, Mary! | Photograph: Courtesy Emilio Madrid Described by the long-suffering President Lincoln as “my foul and hateful wife,” this virago makes her entrance snarling and hunched with fury, desperate to find a bottle she h

Jonah

Jonah

4 out of 5 stars

Theater review by Adam Feldman  The characters in Jonah are constantly checking in with each other, whether out of concern or to grant or request consent. “Okay? Are you okay?” says the fumbling, sweetly horny teenager Jonah (Hagan Oliveras) as he shares a kiss with his boarding-school classmate Ana (Gabby Beans). “I’m okay,” she affirms. “Okay,” he replies. Such exchanges recur with pointed regularity throughout the script: The word okay (sometimes shortened to ’kay) is spoken 158 times in Rachel Bonds’s 100-minute play.  But Ana is not okay. Yes, she seems fine—unusually self-possessed, even—in the play’s first scenes, which are devoted to her funny and adorable courtship with Jonah: a hopelessly self-conscious manic pixie dreamboy with curly hair and a smooth, leanly muscled body. She’s the one who takes the sexual initiative in their flirtation, flashing her bra at the end of their first encounter. (“I don’t have to do anything. I do what I want,” she later explains.) When she shares her romantic fantasies with him, she spins them with an animation that prefigures her future as a writer.  Jonah | Photograph: Joan Marcus At around the half-hour mark, though, their connection goes haywire. The action shifts from school to Ana’s home, where she lives under the tyranny of an alcoholic stepfather. This Ana is more passive; she serves as a support system for her abused stepbrother Danny—played touchingly and scarily by Samuel H. Levine, of The Inheritance—with whom she shares

Mind Mangler: A Night of Tragic Illusion

Mind Mangler: A Night of Tragic Illusion

4 out of 5 stars

The U.K. theater company Mischief specializes in comic disasters. Having already brought their large-scale fiascos The Play That Goes Wrong and Peter Pan Goes Wrong to Broadway, the troupe now sets its sights on a more intimate genre: magic. Henry Lewis plays an orotund but incompetent mentalist, and Jonathan Sayer is his deeply unconvincing audience plant. (The two of them also wrote the with Henry shields.) Ably directed by Hannah Sharkey, the show includes a lot of improvisational crowd work, and amid the comic bungling, a few actual tricks sneak in. 

Days of Wine and Roses

Days of Wine and Roses

4 out of 5 stars

Broadway review by Adam Feldman  Days of Wine and Roses, a musical treatment of alcoholism, raises a toast that ends in shattered glass. “Magic time” is what Joe (Brian d’Arcy James) calls drinking, and soon he has Kirsten (Kelli O’Hara) caught up in its spell. He’s a Korean War vet who works in the shadier nooks of public relations in the 1950s, greasing the social wheels for his superiors; she’s his boss’s pretty secretary, fresh from the farm and eager for danger. He teaches her to drink—she’s a quick learner—and at first the bottle’s genie grants their wishes: happiness, love, professional success. But beware the gifts of spirits.  Days of Wine and Roses reunites composer Adam Guettel with playwright Craig Lucas; as in their previous collaboration, 2005’s The Light in the Piazza, the result is ambitious, artful and musically sophisticated. But whereas Piazza delivers a sweeping romantic breadth of Florentine airs, this piece is more intimate and interior in scope, at times claustrophobic. Joe and Kirsten are very nearly the only people in this 105-minute musical who sing at all—their daughter (Tabitha Lawing) has a few lines in the second half—in keeping with the increasingly small world they share. “What about our secret language?” she wails, betrayed, when he decides to go sober. “Who will I talk to?”  Days of Wine and Roses | Photograph: Joan Marcus Guettel’s score has the feel of a chamber opera. For moments of drunken euphoria, it dabbles in cocktail jazz: Passages

Danny and the Deep Blue Sea

Danny and the Deep Blue Sea

4 out of 5 stars

Review by Adam Feldman  Danny and Roberta are the antiheroes of John Patrick Shanley’s 1984 romantic drama, Danny and the Deep Blue Sea, and they meet anti-cute. She sits alone in a nautical-themed Bronx bar late at night, picking at pretzels; he lingers at a nearby table, nursing a pitcher of beer, with bloody bruises on his face and fists. So begins a courtship that plays less like a pas de deux than a cage match. Roberta is strident, harsh and tortured by an ugly sexual past; Danny is pathologically violent and prone to beating people nearly to death. (Coworkers at his trucking company call him “the Beast.”) Both are a little crazy, and so lonely they can’t bear to be with anyone but themselves. So she invites him home for a night of make-believe romance. “What's the matter? You don't like people?” asks Danny. “No. Not really,” Roberta answers. “Me neither,” he parries. You can’t blame them, in this case: We have seen other losers take their last shots at love, but seldom have they been so openly unpleasant. That we care about their pushme-pullyou affair is a testament to Shanley’s punchy writing and—in its current Off Broadway revival, tightly directed by Jeff Ward—to the fiercely intense performances of Christopher Abbott and Aubrey Plaza. Abbott’s Danny is a swarm of tics, appropriate for a man who feels traps in her own body; Plaza’s intensity doesn’t always match his—it’s her first stage role, and you can still feel her energy drop a bit after each line—but she makes

Prayer for the French Republic

Prayer for the French Republic

3 out of 5 stars

Broadway review by Adam Feldman  To be Jewish in the diaspora is to always depend on the kindness of neighbors—a kindness that has proven unreliable, continually and violently, for millennia. The modern Parisian family in Joshua Harmon’s Prayer for the French Republic is beginning to feel a cold shadow creeping up. In the play’s first scene, Daniel Benhamou (Aria Shahghasemi), a young teacher, arrives home with blood on his face; he has been targeted by local ruffians, and not for the first time. His mother, Marcelle (an excellent Betsy Aidem), implores him to stop putting his Jewishness on display by wearing a kippah. But his father, Charles (Nael Nacer), sees a larger pattern. It is time, he decides, to move somewhere safer: Israel.  The Hamas attack on Israel last fall has shaded Harmon’s 2022 play, which is mostly set in the mid-2010s, with fresh urgency and bitter irony: Antisemitic incidents have spiked in France, which supports the argument to leave; but the notion of Israel as a secure haven has rarely seemed shakier. (At least 41 French citizens, the most of any foreign nationality, were among those killed on October 7.) Densely packed with history and rhetoric, Harmon’s depiction of French Jews in two different decades—it periodically flashes back to the same apartment in the 1940s, as Marcelle’s elderly grandparents (Daniel Oreskes and Nancy Robinette, both very fine) wait out the Nazi occupation—provides valuable insights into their divided states of mind.  Praye

Hotel Villa Retiro

Hotel Villa Retiro

4 out of 5 stars

¿Queréis comer de estrella Michelín, a un precio razonable y en un lugar precioso? Pues la jugada es muy clara: el Villa Retiro de Fran López, en el hotel homónimo, en Xerta, antigua mansión indiana del s. XIX, reúne estas tres condiciones tan difíciles de encontrar en la alta gastronomía. López es un cocinero comprometido con llevar a la alta cocina cierto producto del Delta del Ebro a veces no suficientemente conocido. Aunque en su vertiente carnívora, que le echen un galgo: sí, en el degustación (80 €), encontrarás sushi del Delta, pero también solomillo de jabalí braseado con tartar de vaca y salvia. Y también hay varias opciones de menús de mediodía, exquisitos y sustanciosos, como el Menú Delta del Ebro (55 €), que os hará salir rodando. Lo hacen todo bien, claro, pero los arroces melosos (negros o de pato) son una barbaridad. Además, es uno de los alojamientos con más encanto de Cataluña. Es un hotel de 5 estrellas con varias opciones de habitación entre las que escoger, algunas equipadas con bañera de hidromasaje y jardín privado. Si queréis pasar una estancia de lujo a la vez que disfrutáis de la gastronomía, este es vuestro sitio.

Hotel Les Planes del Grau

Hotel Les Planes del Grau

En una masía con más de 600 años de historia, al lado del río Ter y entre campos y montes, este hotel rural ofrece descanso, tranquilidad, contacto directo con la naturaleza y confort. Trato familiar y posibilidad de realizar múltiples actividades en los entornos, dispone también de piscina, bar-restaurante y una agradable sala para leer y descansar. Es uno de los alojamientos con más encanto de Cataluña, y desde sus habitaciones podréis disfrutar de vistas a la montaña. El baño privado está totalmente equipado con ducha, secador de pelo y artículos de aseo. Las habitaciones también tienen minibar y televisión.

Buena Vista Social Club

Buena Vista Social Club

4 out of 5 stars

Theater review by Adam Feldman  As December pokes its frigid fingers into New York City, Buena Vista Social Club offers an irresistible tropical vacation. A celebration of Cuban musical history, it’s a getaway and a gateway: To attend this show—situated, fittingly, at the Atlantic Theatre—is to enter a world thick with history that you’ll want to learn more about afterward, if you don’t know it already. While you’re there, though, you don’t need to think too hard. Just give yourself over to the sounds that pour out from the stage.  The 1997 album Buena Vista Social Club gathered an extraordinary group of elderly musicians to recreate the atmosphere and the traditional musical styles—son, boleros, guajiras—of a racially inclusive Havana nightspot before the Cuban Revolution. It became a worldwide sensation upon its release, and was the subject of a 1999 documentary film by Wim Wenders. Marco Ramirez’s stage version has a less strictly factual bent. “Some of what follows is true,” says bandleader Juan de Marcos (Luis Vega), who was instrumental in assembling the album’s participants. “Some of it only feels true.”  Perhaps for dramatic economy, this account—on which the real-life de Marcos is credited as a consultant—writes out the contributions of the project’s British initiator, Nick Gold, and American producer, Ry Cooder. It focuses instead on stories about four of the album’s principal performers: vocalists Omara Portuondo (a regal Natalie Venetia Belcon) and Ibrahim Ferrer

How to Dance in Ohio

How to Dance in Ohio

4 out of 5 stars

Broadway review by Adam Feldman  Broadway musicals are pageants for underdogs: outsiders who, dancing to unconventional beats, stand out from the synchronized, anonymized chorus. From Annie Oakley, Fanny Brice and Maria von Trapp to Tracy Turnblad, Elphaba and Alexander Hamilton, the genre exalts the value of nonconformity. And the sweet, uplifting new musical How to Dance in Ohio, which depicts a group of autistic people as they prepare for a social event, guides this tradition in a joyful new direction. Refracted through the show’s prism, the Great White Way’s spotlight fans out into a spectrum.  Since autism entails difficulty with verbal and physical communication, it may seem an unlikely match for the hyperexpressive style of musical theater. But How to Dance in Ohio turns this challenge into an opportunity; Rebekah Greer Melocik’s words and Jacob Yandura’s music provide access into inner worlds that their characters struggle to articulate outwardly. When shrinking violet Marideth (a touchingly vulnerable Madison Kopec) shares factoids about Australia with her father, for instance, it may seem to him like a simple nonsequitur, but we hear what’s in her head: “Australia is a lesson / In what isolation and distance can do. / A land of unlikely animals, / So strange they couldn’t possibly be true.” At moments like these throughout the show, Melocik and Yandura make the most of what theater is uniquely well-equipped to do: They turn a wall into a window.  In adapting the mus

News (2098)

Procuram-se: curtas portuguesas de pôr os cabelos em pé. Oferece-se recompensa

Procuram-se: curtas portuguesas de pôr os cabelos em pé. Oferece-se recompensa

Incentivar a produção de filmes de terror nacionais é o grande objectivo da competição Melhor Curta de Terror Portuguesa, promovida pelo MOTELX – Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa. A próxima edição do festival acontece entre 10 e 16 de Setembro, altura em que serão conhecidos os vencedores. As inscrições estão abertas até ao próximo dia 15 de Maio. Em comunicado, a organização do MOTELX defende que o prémio para Melhor Curta de Terror Portuguesa é “um dos pontos altos da programação do festival”, por cumprir um dos grandes objectivos do festival: “a promoção, incentivo e exibição de filmes de terror produzidos em Portugal”, além de incentivar “uma permanente discussão sobre as fronteiras do terror”, uma vez que são por vezes exibidos filmes “cuja integração no género não é consensual". Na competição em causa, podem inscrever-se curtas-metragens nacionais, ou co-produções maioritariamente portuguesas, até 15 minutos de duração, créditos finais incluídos. O vencedor recebe um prémio de 5000€ e o regulamento está disponível no site do festival, assim como na plataforma FilmFreeway, onde se encontra o formulário de inscrição. + Está de volta a competição do Tik Tok que dá dinheiro aos vencedores e os leva a Cannes + Cinema para todos: mostra AMPLA regressa com sessões inclusivas

Está de volta a competição do Tik Tok que dá dinheiro aos vencedores e os leva a Cannes

Está de volta a competição do Tik Tok que dá dinheiro aos vencedores e os leva a Cannes

É uma rede social feita de vídeos e, pelo terceiro ano consecutivo, lança um desafio à navegação para a criação de vídeos mais ligados à sétima arte. Chama-se #TikTokShortFilm, é lançado em parceria com o Festival de Cannes, e deu o pontapé de saída para a sua terceira edição, com inscrições abertas de 21 de Fevereiro até 15 de Março. Na passada edição, a curta-metragem portuguesa (Nós) na Cabeça, sobre uma jovem que sofre de esquizofrenia, venceu o prémio para Melhor Argumento, uma produção da autoria da actriz portuguesa Madalena Aragão (Morangos com Açúcar) e do actor e também realizador Lucas Dutra (Contado por Mulheres), que venceram o Prémio Revelação nos Globos de Ouro, os portugueses, da SIC. O prémio em Cannes já valeu a Dutra o convite para a realização de #NaWeb, um conjunto de curtas-metragens com personagens da nova temporada de Morangos com Açúcar, disponíveis no clube da série, apenas acessível a assinantes. Mas não custa nada ver a curta-metragem premiada:   @madalena_aragao_ #TikTokShortFilm #cannes #portugal ♬ original sound - Madalena Aragão 😝 Portanto, quem quiser tentar a sua sorte terá de carregar uma curta-metragem (com mais de um minuto de duração) na rede social usando o hashtag #TikTokShortFilm. Depois um júri irá escolher os vencedores em três categorias: Grande Vencedor (10 mil euros), Melhor Realização e Melhor Argumento (ambos com um prémio de 5 mil euros), que serão convidados a apresentar o seu trabalho e receber os prémios durante a cerimó

RTP aposta em filmes realizados por mulheres a partir de grandes obras da língua portuguesa

RTP aposta em filmes realizados por mulheres a partir de grandes obras da língua portuguesa

Cinco livros, cinco municípios, cinco realizadoras, cinco telefilmes. Contado Por Mulheres é um projecto ambicioso que juntou a RTP, a Ukbar Filmes e a Krakow Film Klaster (Polónia) para fazer chegar ao horário nobre televisivo um conjunto de telefilmes realizados por mulheres, a partir de histórias de grandes autores da língua portuguesa. A ideia foi apresentada em Março do ano passado, no Dia Internacional da Mulher, e a estreia chegou a estar prevista para 2021, mas foi adiada para esta quarta-feira, 16 de Novembro. Até dia 14 de Dezembro serão emitidos os primeiros cinco telefilmes, e devem estrear outros tantos durante o próximo ano. “A ideia inicial para estes telefilmes era constatar a transformação de um país e de uma sociedade em diferentes contextos políticos, sociais e económicos, espelhando a realidade portuguesa neste arco temporal dos últimos 100 anos através de histórias de grandes autores da língua portuguesa. São eles que nos ajudam a caracterizar a sociedade com as suas matizes regionais, fazendo-nos sentir os dramas de uma época ou os detalhes da actualidade”, começa por explicar a estação pública em comunicado. A 16 de Novembro, estreia Vizinhas, realizado por Sofia Teixeira Gomes, com argumento da actriz Ana Brito e Cunha a partir do livro de contos Prantos, amores e outros desvarios, de Teolinda Gersão. O telefilme, rodado em Ferreira do Zêzere, acompanha duas amigas de infância (interpretadas pelas actrizes Natalina José e Margarida Carpinteiro) que se

Cinema para todos: mostra AMPLA regressa com sessões inclusivas

Cinema para todos: mostra AMPLA regressa com sessões inclusivas

Durante três dias, a AMPLA – Mostra de Cinema exibe 22 filmes premiados na Culturgest, numa iniciativa que tem como missão ser totalmente inclusiva e dar a conhecer algum do melhor cinema que tem sido feito nos últimos tempos. Todas as sessões contam com interpretação em Língua Gestual Portuguesa, audiodescrição e legendas descritivas, para que ninguém fique de fora deste filme. O programa é uma selecção de filmes premiados nos festivais portugueses, entre curtas e longas-metragens dos mais variados géneros – drama, comédia, documentário, terror ou filmes infantis. A sessão de abertura, a 1 de Março, conta com Mal Viver (2023), longa-metragem de João Canijo vencedora do Urso de Prata no Festival de Cinema de Berlim, um filme que em conjunto com Viver Mal, integra um díptico cinematográfico com histórias contadas em espelho. Mal Viver foi ainda o vencedor do prémio de Melhor Longa-metragem no festival IndieLisboa e o candidato português ao Óscar de Melhor Filme Internacional, uma aposta da Academia Portuguesa de Cinema. Neste primeiro dia é ainda exibida a curta-metragem de animação Quase me Lembro (2023), de Dimitri Mihajlovic e Miguel Lima, premiada no CINANIMA e Caminhos do Cinema Português e que integrou a competição internacional do Festival de Clermont-Ferrand, considerado o maior festival de curtas-metragens do mundo. ©DROur Uniform (2023), de Yegane Moghaddam A 2 de Março, terá lugar uma sessão de curtas composta por filmes premiados em festivais nacionais e também n

Festa do Cinema Italiano vai celebrar “o outro 25 de Abril”

Festa do Cinema Italiano vai celebrar “o outro 25 de Abril”

É precisamente em Abril que acontece a próxima edição da Festa do Cinema Italiano, entre os dias 12 e 21, na cidade de Lisboa, antes de rumar a outros pontos do país. No ano em que Portugal assinala os 50 anos da Revolução dos Cravos, o festival aproveita para assinalar "O outro 25 de Abril/ L'altro 25 Aprile", num ciclo de cinema que integra o programa, desenhado em parceria com a Cinemateca Portuguesa, que recorda a Festa da Libertação na Itália de 1945. Um momento da história italiana que marcou o fim de mais de duas décadas de ditadura fascista, liderada por Benito Mussolini. A programação completa do festival ainda não foi divulgada, mas já são conhecidos os filmes que poderão ser vistos na Cinemateca à boleia da Festa do Cinema Italiano, uma das muitas salas que se associam ao festival, a par do Cinema São Jorge (o coração da festa), do UCI El Corte Inglés e, pela primeira vez, do Cine-Teatro Turim, em Benfica. Um ciclo que acontece num espaço temporal mais alargado, entre 1 e 26 de Abril, composto por 11 produções italianas, de diferentes décadas. Entre a ficção e o documentário, todas procuram reflectir sobre os temas da liberdade e resistência: Roma, Cidade Aberta (1945) de Roberto Rossellini; Os Evadidos (1955), de Francesco Maselli; Tão Amigos Que Nós Éramos (1974), de Ettore Scola; Uma Vida Difícil (1961), de Dino Risi; Una Questione Privata (2017), de Paolo Taviani; Inês Deve Morrer (1976), de Giuliano Montaldo; Il Sole Sorge Ancora (1946), de Aldo Vergano; O Con

‘Oppenheimer’ e ‘Pobres Criaturas‘ limpam os BAFTA (e esfregam as mãos para os Óscares)

‘Oppenheimer’ e ‘Pobres Criaturas‘ limpam os BAFTA (e esfregam as mãos para os Óscares)

Oppenheimer arrecadou este domingo sete BAFTA (British Academy Film Awards), grande parte nas categorias principais. Além do prémio para Melhor Filme, a produção sobre o pai da bomba atómica valeu a Christopher Nolan a distinção de Melhor Realização, a Cillian Murphy o de Melhor Actor e a Robert Downey Jr. o de Melhor Actor Secundário. Fotografia, Edição e Banda Sonora Original fecharam as contas deste que é também um dos grandes candidatos aos Óscares, que acontecem a 10 de Março. Assim como Pobres Criaturas, que saiu dos BAFTA com cinco prémios. Destaque para o de Melhor Actriz, que foi parar às mãos de Emma Stone, actriz que vestiu a pele de Bella Baxter, uma jovem trazida de volta à vida por um cientista, numa comédia negra frankensteiniana de Yorgos Lanthimos. Apesar de, na contabilidade final, ter sido o segundo filme mais premiado, falhou algumas das categorias mais cobiçadas, vencendo os BAFTA de Guarda-roupa, Caracterização, Design de Produção e Efeitos Visuais. A actriz Da'Vine Joy Randolph fechou o rol de vencedores dos elencos, com o BAFTA de Actriz Secundária pelo seu papel em Os Excluídos. O prémio de Argumento Adaptado foi atribuído a American Fiction, por Cord Jefferson, a partir do romance Erasure, de Percival Everett, um enredo que gira em torno de um romancista que escreve uma extravagante sátira sobre os clichés presentes na literatura negra e cuja obra acaba por ser considerada séria pela elite liberal. E o BAFTA para Argumento Original foi parar a Anatom

Magia, asneiras e consumo de drogas. ‘Ted’ tem uma prequela na televisão

Magia, asneiras e consumo de drogas. ‘Ted’ tem uma prequela na televisão

Os dois filmes Ted – de 2012 e 2015 – não chegaram a ser uma trilogia. No entanto, a prometida prequela vai estrear na SkyShowtime em formato série, com um total de sete episódios. Seth MacFarlane continua como o criador de Ted, voltando a emprestar a voz à estrela de pelúcia, que ganhou vida com o desejo de uma criança que precisava de amigos. Mas atenção, incautos: a série não é recomendada a menores de 17 anos. Estreia a 22 de Fevereiro na SkyShowtime. Tudo começou em 1985, numa cidade perto de Boston. É neste ano e nesta geografia que arranca o primeiro filme. O ano do início de uma grande amizade entre John, uma criança de carne e osso que tem dificuldade em fazer amigos, e Ted, o ursinho de pelúcia que recebe nesse Natal. Adopta-o como um amigo, mesmo não sendo verdadeiro e formula um desejo: que Ted consiga falar para poderem ser amigos para todo o sempre. À noite, passa uma estrela cadente que ouve o desejo de John e o torna realidade. A notícia depressa corre o mundo: um urso de brincar tem pensamento próprio! Ted torna-se numa celebridade, embora sem nunca deixar o amigo para trás. Na verdade, o que parecia um conto infantil, dá lugar a uma absurda comédia para adultos ao jeito de Seth MacFarlane, criador das séries de animação Family Guy, American Dad e The Cleveland Show, também para os mais crescidos e por cá disponíveis no Disney+.  ©PeacockTed Os anos passam, as pessoas começam a esquecer-se de Ted, e este acaba por cair numa vida de abusos, chegando a ser ap

Três documentários com Alexei Navalny que pode ver agora

Três documentários com Alexei Navalny que pode ver agora

Não é uma figura que reúna consensos e em 2007 chegou a comparar imigrantes a moscas e baratas, num vídeo do Movimento Nacional Russo de Libertação (NAROD), lançado em apoio à legalização de armas de fogo de cano curto. Alexei Navalny é, no entanto, um dos símbolos da oposição à Rússia de Vladimir Putin, um regime que em 2021 o prendeu e acusou de fraude e extremismo. A cumprir sentença até 2038, Navalny morreu esta sexta-feira aos 47 anos, avança a agência de notícias russa TASS, após se ter sentido mal durante uma caminhada no estabelecimento prisional onde estava detido. Uma prisão de alta segurança na região de Iamália-Nenétsia, para onde tinha sido transferido recentemente. Segundo a TASS, que o descreve como blogger, “Navalny foi condenado por duas vezes a uma pena suspensa sob a acusação de fraude pelo seu trabalho com a empresa Yves Rocher. Depois de violar repetidamente os termos da sua liberdade condicional, em 2021, a pena suspensa do blogger foi substituída por uma pena de prisão efectiva”, escreve a agência, acrescentando que em Março de 2022 “foi considerado culpado por desrespeito em tribunal e por fraude na angariação de fundos para a campanha eleitoral”. Em Agosto, o tribunal considerou-o culpado de criar uma comunidade extremista. As causas da morte ainda “estão a ser apuradas”. No dia da sua morte, recomendamos três documentários que dão a conhecer melhor o principal rosto da oposição política a Vladimir Putin. Navalny (2022) Doc

Morreu aos 95 anos José Pinto, o actor que satirizou Salazar

Morreu aos 95 anos José Pinto, o actor que satirizou Salazar

Começou no teatro e destacou-se também na televisão e no cinema, onde participou em mais de 80 produções. O actor José Pinto morreu em casa na noite desta quinta-feira, anuncia uma publicação da sua página pessoal de Facebook. José Pinto nasceu em 1929 em Vila Nova de Gaia e foi no Teatro Experimental do Porto que iniciou a sua carreira, na década de 60. Também na cidade Invicta, integrou diversas peças da companhia de teatro Seiva Trupe, como os êxitos de bilheteira Um Cálice de Porto (1982), um texto de Benjamim Veludo, Manuel Dias e Norberto Barroca; ou Ópera do Malandro (1996), de Chico Buarque. Na televisão, além de vários telefilmes e telenovelas, passou pelas séries Clube Paraíso, Os Andrades, Major Alvega, Claxon, Conta-me Como Foi, A Vida Privada de Salazar ou, mais recentemente, Os Boys. No cinema, integrou o elenco de filmes como Vale Abraão, Tráfico, Aparelho Voador a Baixa Altitude, O Delfim ou da curta-metragem O Grande Monteleone, na qual foi o protagonista. Mas foi apenas aos 86 anos que foi reconhecido pelos prémios do cinema português. Em 2016, a Academia Portuguesa de Cinema atribuiu a José Pinto o Prémio Sophia para Melhor Actor Secundário, pela sua interpretação de Salazar no filme Capitão Falcão, multipremiada longa-metragem de João Leitão que satiriza o Estado Novo com a história do primeiro super-herói fascista, interpretado por Gonçalo Waddington. + Onde é que estava (a filmar) no 25 de Abril? Cinemateca procura gravações inéditas + Curta portuguesa

Cadeia de cinemas repõe candidatos aos Óscares com bilhetes a preço de saldo

Cadeia de cinemas repõe candidatos aos Óscares com bilhetes a preço de saldo

Na recta final para os Óscares, os Cinemas NOS fazem regressar às salas os filmes Barbie e Oppenheimer para se juntarem a outros filmes actualmente em exibição, que terão sessões a preços de saldo. Pelo menos, às terças e quartas-feiras, dias em que os bilhetes para filmes com nomeações aos Óscares custam 5€. Alguns deles têm morada recente no streaming. Em 2023, os filmes Barbie e Oppenheimer fixaram-se no pódio da lista dos filmes mais vistos do ano em Portugal (na companhia de Velocidade Furiosa X). E agora estão de regresso às salas, à boleia dos Cinemas NOS, que até 6 de Março tem preços mais simpáticos para filmes com nomeações. Na lista, incluem-se ainda Zona de Interesse, Os Excluídos, Vidas Passadas, Anatomia de Uma Queda, Pobres Criaturas, Napoleão, Assassinos da Lua das Flores, Maestro ou o filme de animação O Rapaz e a Garça, produções que às terças e quartas-feiras estão a preço de saldo. No entanto, alguns títulos da lista já chegaram ao streaming. É o caso de Barbie, que integra o catálogo da HBO Max; Maestro, o da Netflix; e Assassinos da Lua das Flores, que pode ser visto na AppleTV+. Oppenheimer chega à SkyShowtime a 21 de Março, embora já após a cerimónia dos Óscares, marcada para o dia 10 do próximo mês. + Todos os filmes com nomeações aos Óscares que pode ver em casa + Curta portuguesa vence prémio para “melhor filme europeu” em França

Onde é que estava (a filmar) no 25 de Abril? Cinemateca procura gravações inéditas

Onde é que estava (a filmar) no 25 de Abril? Cinemateca procura gravações inéditas

“Onde é que você estava no 25 de Abril?” Ficou na história da televisão portuguesa a pergunta que Armando Baptista-Bastos fazia a todos os seus entrevistados no programa Conversas Secretas, emitido pela SIC entre 1996 e 1998, e posteriomente transportada para a caricatura que Herman José fez do jornalista, como o Artista Bastos do Herman Enciclopédia, na RTP1. Agora, a Comissão Comemorativa 50 anos 25 de Abril e a Cinemateca Portuguesa não querem apenas saber onde estava, mas se tem registos em vídeo da revolução de 1974. No ano em que se assinalam os 50 anos do 25 de Abril de 1974, a Comissão e a Cinemateca procuram salvaguardar e também difundir o património cinematográfico amador e inédito que poderá andar escondido nos baús de muitos portugueses. “Um dos aspectos distintivos do 25 de Abril é a forma como os portugueses receberam a notícia do derrube da ditadura, saindo às ruas e celebrando a liberdade. Estas perspectivas são elementos relevantes para promovermos um maior conhecimento da nossa história recente. Esta passagem de testemunho sobre o passado, as memórias da ditadura, da construção da democracia e do valor da liberdade é fundamental para que possamos, em conjunto, pensar e construir o futuro”, escreve Maria Inácia Rezola, comissária executiva dos 50 anos do 25 de Abril, num texto publicado na plataforma das comemorações. Na mesma plataforma, José Manuel da Costa – director da Cinemateca Portuguesa que cessou funções na passada semana – sublinha a importância de

Exposição faz um retrato dos 60 anos de carreira de António Sala

Exposição faz um retrato dos 60 anos de carreira de António Sala

Aos 75 anos, António Sala é uma das mais reconhecidas vozes da rádio portuguesa, onde iniciou a carreira há 60 anos. Ao longo das décadas, também se tornou uma estrela da televisão, onde continua a trabalhar, e todas estas vidas estão em exposição em “Retratos Contados de António Sala”, que pode ser vista até ao final do mês de Fevereiro na Tantos Livros, Livreiros, nas Avenidas Novas. Antes de mais, “Retratos Contados” é um projecto de Nelson Mateus que tem como missão aproximar gerações, contando histórias de gerações mais velhas para combater a solidão de quem tanto tem para contar. Um projecto que dá a conhecer o passado de pessoas anónimas, mas também de nomes conhecidos que já se viram envolvidos neste projecto. É o caso da escritora Alice Vieira ou do actor Ruy de Carvalho, cujas histórias de vida foram dadas a conhecer através de exposições e outras iniciativas. Agora, no mês em que se assinala o Dia Mundial da Rádio (13 de Fevereiro), é a vez de António Sala, que assinala 60 anos de carreira e anda em tour pelo país com o musical António Sala, O Comunicador – 60 anos de Carreira. Na exposição “Retratos Contados de António Sala”, desenhada em parceria com a Junta de Freguesia das Avenidas Novas, podem ser vistos registos fotográficos dos seus últimos 60 anos, assim como caricaturas ou mesmo livros deste comunicador, como Memórias da Vida e da Rádio dos Afectos (Oficina do Livro, 2011). ©Junta de Freguesia das Avenidas NovasRetratos Contados de António Sala Com uma c