A Pereira Brava

Filmes, Drama
Escolha dos críticos
5 /5 estrelas
A Pereira Brava

A Time Out diz

5 /5 estrelas

Só mesmo um grande realizador pode pegar numa situação tão banal, tão batida, como um beijo entre um homem e uma mulher sob um ramo de árvore agitado pelo vento, e filmá-la como se fosse nova. O turco Nuri Bilge Ceylan fá-lo no seu filme mais recente, A Pereira Brava, ao mesmo tempo que reitera o seu notável talento visual, o sentido da imagem inédita e da beleza plástica que arrebata, associados à capacidade de transmitir sentimentos e estados de espírito através da paisagem e dos elementos. Nos seus filmes – e isso acontece aqui de novo – a neve não é só um mero fenómeno meteorológico. É também um sinal exterior do que vai por dentro das personagens, um correlativo de uma situação emocional e anímica específica.

A este virtuosismo da câmara, Ceylan junta a pertença a uma espécie em vias de extinção: o realizador de "ideias". Os seus filmes conseguem, como só alguma grande literatura, tratar com uma profundidade e uma sensibilidade raras no cinema as relações entre os homens e as mulheres, e os membros de uma família,
ou a angústia, a perplexidade e o comportamento ante o mundo, os outros, e as escolhas, dilemas e obstáculos da existência. É um cineasta que pensa e reflecte, através das suas personagens e com elas, e o faz guiado por uma ideia constantemente cinematográfica.

Em A Pereira Brava, o jovem Sinan volta à vila natal vindo de Istambul, e da universidade em que se formou, enquanto tenta publicar o primeiro livro e dar rumo à vida: fazer o exame para professor, ir à tropa, casar? Não é ajudado pelo que encontra em casa. O pai, professor primário, joga e está cheio de dívidas, deixando a mãe e a irmã em situação embaraçosa e precária.

Crónica de uma frustração pessoal, do desencontro azedo entre um filho e o seu pai, e da tacanhez da vida
 no interior da Turquia, A Pereira Brava é um filme mais tagarela que o habitual em Ceylan (até se fala em religião e em política), mas nem por isso ele abdica dos seus longos silêncios, da sua natureza contemplativa e da atenção à paisagem. E toda a beleza e emoção contidas na surpreendente sequência final entre pai e filho, coroam de forma admirável um filme com mais de três horas que nunca exasperam ou pesam no espectador.

Por Eurico de Barros

Detalhes

Detalhes da estreia

Classificação
15
Data de estreia
sexta-feira 30 novembro 2018
Duração
183 minutos

Elenco e equipa

Realização
Nuri Bilge Ceylan
Argumento
Nuri Bilge Ceylan, Akin Aksu, Ebru Ceylan
Elenco
Hazar Ergüclü
Murat Cemcir
Serkan Keskin
Também poderá gostar