Apocalypse Now Redux

Filmes, Drama
Escolha dos críticos
5 /5 estrelas
Apocalypse Now Redux

A Time Out diz

5 /5 estrelas

Devemos agradecer a Guerra das Estrelas o facto de não ter sido George Lucas a realizar Apocalypse Now, como estava previsto. Lucas ia filmar o argumento de John Milius (inspirado em O Coração das Trevas, de Joseph Conrad, mas também na Odisseia) nos arredores de Los Angeles, a preto e branco, em 16 mm, com dois helicópteros e meia dúzia de actores, com Coppola a produzir.

Só que Lucas começou a ficar absorvido pela produção de Guerra das Estrelas e passou Apocalypse Now a Coppola. Este tinha tido duas experiências de levar à exaustão com as rodagens de O Padrinho e O Padrinho: Parte II, e queria liberdade económica para trabalhar nos filmes pequenos e “autorais” mais a seu gosto, como Chove no Meu Coração ou O Vigilante.

Por isso, transformou o modesto Apocalypse Now de George Lucas num grande espectáculo, rodado nas Filipinas, ao mesmo tempo que Milius desenvolvia no argumento o surf e as referências hippies e psicadélicas. Para Milius, Apocalypse Now é “um filme sobre o Vietname em que a Califórnia combate os comunistas”. E Coppola queria que fosse uma “grande máquina de fazer dinheiro”, que lhe garantisse a independência financeira para rodar as fitas que lhe apetecesse, sem andar a estender a mão aos estúdios.

A rodagem de Apocalypse Now foi a epopeia caótica que se sabe, e a versão do filme que ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes de 1979 e se estreou, foi a que o realizador conseguiu montar então, e a comercialmente mais viável.

Em 2001, Coppola estreou Apocalypse Now Redux, com mais 49 minutos de material cortado ao original. Esta nova versão, que assinala os 40 anos da estreia, rapa 20 minutos à cópia Redux (toda a sequência com as coelhinhas da Playboy desapareceu, por exemplo) e foi restaurada do negativo original em 4K e Dolby Atmos.

Coppola pode esticar e encolher Apocalypse Now à voltade. O filme será sempre uma experiência cinematográfica única e avassaladora sobre a guerra do Vietname, traduzida em termos de uma viagem irreal e alegórica ao mais fundo das forças primitivas que podem apoderar-se dos homens. E onde a selva é uma personagem tão fundamental como Willard, Kilgore ou Kurtz.

Por Eurico de Barros

Por Eurico de Barros

Publicado:

Detalhes

Detalhes da estreia

Classificação
15
Data de estreia
sexta-feira 23 novembro 2001
Duração
203 minutos

Elenco e equipa