Até Nunca

Filmes
2 /5 estrelas
Até Nunca

A Time Out diz

2 /5 estrelas

Benoît Jacquot é um cineasta que passa de um género para outro e muda de estilo, de registo e de roupagem cinematográfica com uma facilidade de causar inveja. Basta pensarmos em filmes tão diferentes como Sade (2000), Villa Amalia (2009), Adeus, Minha Rainha (2012) 3 Corações (2014) ou Diário de uma Criada de Quarto (2015). Em Até Nunca, produzido por Paulo Branco, rodado em Portugal e contando no elenco com vários actores nacionais em papéis de segunda linha (Victoria Guerra, Elmano Sancho, José Neto), Jacquot adapta um livro curto de Don DeLillo, The Body Artist, e entra com ele pelos caminhos do sobrenatural.

Jacques Rey (Mathieu Amalric) é um realizador que acaba de estrear um filme novo e fica fascinado por uma jovem performer, Laura (Julia Roy, também autora do argumento). Por ela, abandona a sua namorada e actriz favorita, Isabelle (Jeanne Balibar). Um dia, Jacques, que anda de moto, atira-se a alta velocidade contra um camião, morre e Laura fica sozinha na sua casa à beira-mar, que faz barulhos como se fosse assombrada.

Só faltava um fantasma à casa, e ei-lo que se manifesta: é Jacques, que regressa do Além como quem volta de comprar cigarros. Estamos num filme francês, e nem Jacques é um fantasma convencional, nem Benoît Jacquot quer usá-lo para os habituais propósitos do género. No entanto, Até Nunca parece escrito às três pancadas e rodado contra-relógio, põe em cena personagens mal acabadas que não nos conseguem convencer enquanto tal nem mobilizar emocionalmente, e limita-se a debitar uma difusa, insípida e pretensiosa estenografia da “perda” e da “dor”.

Por Eurico de Barros

Por Eurico de Barros

Publicado:

Detalhes

Detalhes da estreia

Elenco e equipa