Bohemian Rhapsody

Filmes, Drama
2 /5 estrelas
Bohemian Rhapsody

A Time Out diz

2 /5 estrelas

Desde que em 2010 este projecto de um filme sobre Freddie Mercury e os Queen foi anunciado, que os problemas de produção nunca mais pararam. Entra e sai de realizador, dança de argumentistas, troca do actor que ia interpretar Mercury (nomeadamente, Sacha Baron Cohen), etc. Bohemian Rhapsody acabou finalmente por ser feito, assinado por Bryan Singer (que abandonou a rodagem antes do final e foi substituído por Dexter Fletcher) e com Rami Malek no papel de Mercury. Tendo Brian
May e Roger Taylor como produtores executivos e consultores criativos, tal como Jim Beach, o manager do grupo,
 a controlar o projecto desde o início, Bohemian Rhapsody é exactamente o que se poderia esperar.

Uma versão filtrada pelo crivo da marca Queen, mais lendária do que factual, da história da banda e em especial da figura e da vida de Freddie Mercury, esmerando-se particularmente em atenuar a sua homossexualidade e o impacto desta na imagem da banda, e em branquear o seu estilo de vida promíscuo, e do qual
 o próprio Mercury fazia aliás gáudio. O filme faz o contrário daquilo que, a certa altura, os membros do grupo dizem a um patrão da EMI que os Queen não fazem: seguir uma fórmula. Bohemian Rhapsody segue diligentemente a fórmula dos filmes biográficos sobre grandes vedetas excessivas, até ao final moralizante e redentor. Os três actores que interpretam May, Taylor e Roger Deacon são as caras chapadas dos originais, enquanto que Rami Malek nunca entra totalmente na pele de Freddie Mercury: o actor não consegue apagar-se na personagem, nunca deixamos de o ver a trabalhar para o conseguir.

Por Eurico de Barros

Por Eurico de Barros

Publicado:

Detalhes

Detalhes da estreia

Classificação
12A
Data de estreia
quarta-feira 24 outubro 2018
Duração
134 minutos

Elenco e equipa

Realização
Bryan Singer
Argumento
Anthony McCarten
Elenco
Rami Malek
Mike Myers
Joseph Mazzello