Ema

Filmes
Escolha dos críticos
1 /5 estrelas
Ema

A Time Out diz

1 /5 estrelas

Depois de se estrear a filmar nos EUA com Jackie (2016), Pablo Larraín voltou ao Chile para rodar Ema, passado em Valparaíso. Ema (Mariana Di Girolamo) é bailarina num grupo de dança contemporânea e professora de expressão corporal, casada com o coreógrafo do grupo (Gael Garcia Bernal). O filme começa com o casal a ser admoestado por uma assistente social, já que o filho adoptivo, um orfão columbiano, pôs fogo à casa, fez com que a irmã de Ema ficasse desfigurada e foi devolvido pelos pais ao Estado. Se parecem estar lançadas as sementes de um melodrama familiar, não é isso que acontece. Ema torna-se num filme enredado em si mesmo, canhestro e pretencioso, centrado na personagem do título, que entre organizar orgias lésbicas e pegar fogo a coisas com um lança-chamas, procura, de forma nada convencional, refazer a sua frágil familia. Ema é só pose para mascarar a história desconjuntada, a aridez emocional e a forte antipatia das personagens. Sobretudo a Ema da atriz Mariana Di Girolamo, um poço de irresponsabilidade, presunção e narcisismo, com um traço sociopata. Gente infrequentável, tal como a fita.

 

Por Eurico de Barros

Publicado:

Detalhes

Detalhes da estreia

Classificação
15
Data de estreia
sexta-feira 1 maio 2020
Duração
107 minutos

Elenco e equipa

Realização
Pablo Larraín
Argumento
Alejandro Moreno, Guillermo Calderón
Elenco
Gael García Bernal
Santiago Cabrera
Mariana Di Girolamo