O Poder da Palavra

Filmes
3 /5 estrelas
O Poder da Palavra

A Time Out diz

3 /5 estrelas

A jovem Neilah Salah (Camélia Jordana) chega visivelmente atrasada à sua primeira aula de Direito no anfiteatro cheio como um ovo da sua faculdade. E logo se transforma no alvo do sarcasmo do professor catedrático Pierre Mazard (Daniel Auteil), que junta à sua vasta cultura e ao seu consumado domínio da retórica o gosto da provocação politicamente incorrecta – que lhe valeu entre os alunos a reputação de perigoso e incorrigível reaccionário. Neilah responde ao mestre com alguma insolência, e a situação é salva pelo presidente da escola, que vem anunciar um concurso de eloquência inter-universidades.

Para apaziguar a fúria do corpo discente nas redes sociais, acesa pelo incidente com a aluna, e evitar uma sanção disciplinar, Mazard aceita a sugestão do presidente, de treinar a rapariga para se apresentar ao concurso.

Realizado pelo também actor Yvan Attal, O Poder da Palavra é um filme que glosa a ancestral história de Pigmalião, situando-a na melindrosa arena contemporânea das agendas político-ideológicas, através das personagens da aluna étnica e vinda dos subúrbios “problemáticos” de Paris, e do professor branco, elitista e provocador todo-terreno.

Attal, no entanto, não quer fazer um filme de “revolta” ou “anti”, mas deixar uma mensagem de moderação, entendimento e melhoramento pessoal. Assim, e entre várias peripécias, Neilah aprende a expressar-se com eloquência e a compreender o valor e a importância do domínio da linguagem, na sua futura profissão e na vida de todos os dias, e Mazard aprende alguma humildade, compreensão e tolerância. O Poder da Palavra é uma comédia de costumes convencional mas sinceraepertinente,e dá gosto seguir a esgrima de verbo e de vontades entre Jordana e Auteil, que até fazem esquecer a tipificação das suas personagens.

Por Eurico de Barros

Por Eurico de Barros

Publicado:

Detalhes

Detalhes da estreia

Duração
95 minutos

Elenco e equipa