Suburbicon

Filmes, Comédia
1 /5 estrelas
Suburbicon

A Time Out diz

1 /5 estrelas

Mais vale começar logo à bruta: Suburbicon, de George Clooney, é um filme dois em um que vale zero. Mas a culpa tem que ser dividida entre ele e os irmãos Coen. Joel e Ethan escreveram o argumento de Suburbicon há uns bons 30 anos, como uma sátira tóxica à América suburbana nascente dos anos prósperos e consumistas do pós-guerra.

Na história original, passada na década de 50, Gardner Lodge, que vive com a mulher, paralisada após um desastre de automóvel, o filho e a cunhada, irmã gémea daquela, num subúrbio modelo, o Suburbicon do título, engendra um plano diabólico para matar a legítima e ficar com a cunhada. O argumento foi metido numa gaveta, até ser resgatado muito mais tarde por Clooney, que o ia filmar e interpretar o papel principal, com Joel e Ethan Coen encarregues da produção.

Os Coen acabaram por saltar da carruagem, Clooney passou a ser apenas realizador de Suburbicon e entregou a sua personagem a Matt Damon, acompanhado por Julianne Moore no duplo papel das gémeas. E decidiu também puxar pelas suas credenciais de bom escoteiro progressista, enxertando na história um sub-enredo anti-racista a piscar o olho à actualidade, no qual uma família negra, os Mayers, se muda para a casa ao lado da dos Lodge, fazendo com que o bairro em peso vá protestar violentamente junto à porta dos intrusos que têm a cor errada para viver em Suburbicon.

O argumento dos Coen já de si não era grande espingarda, óbvio e estereotipado na comédia negra e slapstick, esquemático nas personagens e gradualmente inverosímil
 nas situações. E o acrescento de Clooney,
 ao pretender denunciar a intolerância e o racismo da América branca e da classe média, fica-se pela vulgata dessa mesma denúncia, feita com toda a subtileza de um rolo compressor (ver a amizade entre o filho dos Lodge e o dos Mayers, através da qual Clooney sinaliza com mão de chumbo uma promessa de mais convivência e maior tolerância para as gerações seguintes).

Pior ainda: a família negra de Suburbicon é reduzida ao lugar comum da vítima, sendo-lhe recusado qualquer papel activo na história da fita. Ela não passa um mero adereço onde George Clooney pendura e exibe a sua indignação bem-pensante e as suas preocupações de estrela de cinema com consciência política e social (e, dizem alguns, futuro aspirante a candidato a presidente dos EUA). Ao pretender fazer activismo, o actor e cineasta revela apenas o seu paternalismo. Estamos muito longe do Clooney céptico, realista e inimigo da demagogia de Nos Idos de Março, o seu último bom filme como realizador.

Quanto ao elenco, Matt Damon, com o seu ar de miúdo crescido, é escassamente convincente no papel de Gardner Lodge, em especial quando tenta ficar com ar ameaçador, caso da cena com o filho na cozinha, depois do caldo estar todo entornado. Julianne Moore interpreta a cunhada cúmplice do assassínio da irmã presa num espartilho de maneirismos corporais e vocais, e apenas Oscar Isaac se safa no papel do investigador de seguros oleoso e corrupto, que acaba vítima da sua própria ganância, com um atiçador espetado na cabeça.

O filme definitivo sobre os esqueletos
 no armário e o lado negro das pequenas comunidades americanas aparentemente perfeitas, felizes e vivendo em coexistência pacífica, já foi feito há mais de 30 anos, em 1986. Chama-se Veludo Azul e está assinado por David Lynch, que nem sequer precisou de jogar a cartada racial para levar a água ao seu moinho.

Por Eurioco de Barros

Por Eurico de Barros

Publicado:

Detalhes

Detalhes da estreia

Classificação
15
Data de estreia
sexta-feira 24 novembro 2017
Duração
104 minutos

Elenco e equipa

Realização
George Clooney
Argumento
George Clooney, Grant Heslov, Joel Coen, Ethan Coen
Elenco
Matt Damon
Julianne Moore
Oscar Isaac
Também poderá gostar