Todo o Dinheiro do Mundo

Filmes, Suspense
Escolha dos críticos
2 /5 estrelas
Todo o Dinheiro do Mundo

A Time Out diz

2 /5 estrelas

Mesmo que fosse um grande filme (e não é), Todo o Dinheiro do Mundo, 
de Ridley Scott, ficará para sempre para a história do cinema como o primeiro em que um actor foi apagado e substituído por outro. Não por motivos político-ideológicos, como sucedia com os dirigentes caídos em desgraça, nas fotografias e filmes oficiais da URSS de Estaline e da China de Mao, mas sim por uma combinação de razões económicas e de medo.

Já com o filme concluído, Kevin Spacey, que interpreta o multimilionário J.P. Getty, foi alvo de acusações de assédio sexual feitas por vários homens. Sem que Spacey tenha sido alvo de acções jurídicas, nem que tenham sido produzidas provas concretas sobre os factos ou a credibilidade dos acusadores, os produtores e o realizador de Todo o Dinheiro do Mundo, preocupados em proteger o investimento e intimidados pelo clima de caça às bruxas sexual que se vive em Hollywood, decidiram, em vez de estrear o filme como estava feito, eliminar o actor dele. E rodar de novo as sequências da sua personagem recorrendo a outro intérprete – Christopher Plummer.

Naquilo a que o The New
York Times chamou “a corrida para apagar Kevin Spacey”, no espaço de nove dias e a um custo extra de dez milhões de dólares, Ridley Scott refilmou com Plummer o que originalmente tinha sido rodado com Spacey (estão disponíveis no YouTube o primeiro trailer do filme, ainda com Kevin Spacey na 
pele de J.P. Getty, as sequências com ele e uma comparação das interpretações dos dois actores).

O filme recria o rapto, em 1973, em Itália, de Paul Getty (Charlie Plummer), o neto 
de 16 anos daquele que era então o homem mais rico do mundo. Getty recusou-se pura e simplesmente a pagar o resgate de 17 milhões de dólares pedido pelos sequestradores, para desespero da antiga nora, Gail Harris (Michelle Williams). Tomando muitas liberdades com os factos ocorridos, para puxar a história para o território do thriller, Ridley Scott assina um filme maçudo, lúgubre e átono, uma misturada de policial, drama familiar e tratado de lugares comuns sobre os ricos e a importância e o significado do dinheiro, com escassa trepidação, suspense ou profundidade. A interpretação de Christopher Plummer,
 fazendo render até à última gota a insondável e refinada sovinice do velho, egoísta e implacável Getty, acaba por ser, ironicamente, o único motivo de interesse de Todo o Dinheiro do Mundo.

Por Eurico de Barros

Por Eurico de Barros

Publicado:

Detalhes

Detalhes da estreia

Classificação
15
Data de estreia
sexta-feira 5 janeiro 2018
Duração
133 minutos

Elenco e equipa

Realização
Ridley Scott
Argumento
David Scarpa
Elenco
Christopher Plummer
Michelle Williams
Mark Wahlberg
Charlie Plummer
Também poderá gostar