Vice

Filmes, Drama
Escolha dos críticos
2 /5 estrelas
Vice

A Time Out diz

2 /5 estrelas

Para interpretar Dick Cheney, o vice-presidente mais poderoso, influente e nocivo 
da história dos EUA em Vice,
 de Adam McKay, desde a sua juventude até à velhice, Christian Bale engordou 20 quilos e foi fisicamente alterado por efeitos digitais e de maquilhagem (próteses, chumaços, etc.).

O filme dá-nos uma boa oportunidade para perguntarmos se vale a pena a um actor submeter-se a tais alterações físicas e artifícios técnicos para ficar o mais parecido possível com a pessoa que interpreta, se há um valor dramático em si em toda esta manipulação, e onde realmente acaba a interpretação e começam os efeitos.

Quanto ao Dick Cheney
 de Bale resulta numa figura cartoonesca, tal como a maior parte das personagens de Vice, e se o actor apanhou bem o hábito do político de falar dos cantos da boca, tudo o resto parece forçado, artificial e pouco convincente. Sim, a tão falada “parecença” está lá, atingida à custa de muita gordura, software e trabalho de bastidores. Mas essa “parecença” de “gémeo” chega para validar uma interpretação?

Tudo era mais simples e natural quando se escolhiam actores 
para interpretar políticos pela
sua semelhança, pela idade aproximada da dos ditos e pelo talento que tinham para se tornar neles pelo simples acto da representação. E não para os transformar em sósias deles, à força de regimes físicos, de tecnologia e de acrescentos artificiais vários.

Adam McKay, autor do brilhante A Queda de Wall Street (2015) começa Vice a dizer 
que não vamos ver um filme certinho, objectivo, factualmente fundamentado sobre Dick Cheney, ao referir-se-lhe desde logo como “um sacana dissimulado”.

Vice é uma fita de execração em jacto contínuo do antigo vice-presidente dos EUA, dobrada
de panfleto anti-Republicano inflamado, em que o realizador utiliza o mesmo estilo pop, cool, deliberadamente desarrumado e cronologicamente desconjuntado de A Queda de Wall Street.

Só que aqui não resulta, porque o que funcionava bem para trocar por miúdos a crise do subprime e
 o crash financeiro de 2008, não
 dá para, em pouco mais de duas horas, analisar e explicar uma figura como a de Dick Cheney, o que ele pensava e o que o motivava; bem como resumir o que foi a nefasta acção dos “neocons” (uma palavra que, curiosamente, não se ouve em todo o filme) corporizada na administração de George W. Bush, e toda a extensão do dano que causaram aos EUA e à sua imagem internacional, ao mundo – e ao Médio Oriente em especial – e ao próprio Partido Republicano.

Ficamos assim com duas horas e picos de pregação esquemática e comicieira aos convertidos, de um Dick Cheney parte Darth Vader
 à civil, parte vilão de desenho animado, parte defensor dos interesses dos “brancos, ricos
 e direitistas”, e de personagens quase todas bonecos prontos-a-gozar ou prontos-a-detestar. Com a excepção da Lynne Cheney da sempre excelente Amy Adams, a única figura à qual McKay concede a dimensão humana negada às demais. Vice é um filme político, mas da variante “para totós”.

Por Eurico de Barros

Por Eurico de Barros

Publicado:

Detalhes

Detalhes da estreia

Classificação
15
Data de estreia
sexta-feira 25 janeiro 2019
Duração
132 minutos

Elenco e equipa

Realização
Adam McKay
Argumento
Adam McKay
Elenco
Christian Bale
Amy Adams
Steve Carell
Sam Rockwell