Vox Lux

Filmes, Drama
2 /5 estrelas
1/2
Vox Lux
2/2
Vox Lux

A Time Out diz

2 /5 estrelas

Há filmes que pecam por defeito, por dar pouco
 aos espectadores: pouco espectáculo, pouca história, pouca emoção, pouco que pensar, pouco que sentir. E há outros que pecam por excesso. Vox Lux, a segunda realização do actor Brady Corbet após A Infância de um Líder, pertence à segunda categoria. É um filme atarefadíssimo, que quer dizer e mostrar muitas coisas sobre muitos assuntos ao mesmo tempo, que corre a vários carrinhos de uma só penada, e procura ir do pessoal ao global.

Mesmo a personagem principal, Celeste (Natalie Portman), caracteriza-se por ser muitas coisas em simultâneo. Sobrevivente traumatizada
 de um massacre no seu liceu quando era adolescente, mãe falhada, pop star planetária em recuperação de carreira, símbolo da superficialidade berrante, repetitiva e sexualizada da música pop de hoje, e consciente de o ser, e um compósito extremado de Madonna, Britney Spears, Beyoncé e Lady Gaga.

O filme, narrado por Willem Dafoe, passa-se entre 1999 e agora. A jovem Celeste (Raffey Cassidy, uma revelação) escapa 
à morte num tiroteio sangrento na sua escola. A canção que entoa na cerimónia de homenagem às vítimas atira-a para a fama. Quase 20 anos depois, Celeste sobreviveu às drogas, à bebida, a um escândalo e à crueldade dos media e das redes sociais. Tem uma filha (também interpretada por Raffey Cassidy) e vai dar um grande concerto na sua cidade natal, quando um grupo terrorista faz um atentado usando iconografia de um videoclip seu.

Com ferocidade mas em desordem, em pinceladas arrojadas mas de forma muitas vezes esquemática, Brady Corbet dispara em todas as direcções: a ameaça terrorista, a decadência moral e anímica dos EUA, a espectacularização e a comercialização do horror e da privacidade, a obsessão da celebridade, a imbecilização da cultura de massas e a banalização da música pop, o esboroar da família tradicional.

Natalie Portman, a cantar
 Sia e a fazer o diabo a quatro em palco e fora dele, ora vulnerável
e descontrolada, ora belicosa e lúcida, quase consegue servir 
de fiel da balança de Vox Lux, equilibrar este filme desnivelado. Mas há som e fúria a mais para ordem e sentido a menos.

Por Eurico de Barros

Por Eurico de Barros

Publicado:

Detalhes

Detalhes da estreia

Classificação
15
Data de estreia
sexta-feira 3 maio 2019
Duração
115 minutos

Elenco e equipa

Realização
Brady Corbet
Argumento
Brady Corbet
Elenco
Natalie Portman
Jude Law
Jennifer Ehle
Raffey Cassidy